Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Como o Nada

Como os passaros pousam leves no chão,
tua lembrança é como andorinhas pousando na minha memória,
e se você pudesse entender como me sinto
as coisas seriam leves assim.
Se você pudesse ver meus olhos
veria-os brilhar como diamantes
e saberia que brilham por sua causa.
As vezes eu observo as árvores
e um dia eu ainda serei uma
para balançar com o vento
e fazer sombra aos andarilhos.
Eu poderia também ser pássaro
eu voaria, eu flutuaria
eu me sentiria bem e apaziguada
como quando tudo ainda era azul e bom.
Eu viajaria com a luz
e faria refletir as cores do teu rosto,
eu iluminaria o teu caminho
e o percorreria dentro do teu coração.

Como viajantes, teu amor foi uma passagem breve
que eu guardo em meu coração desde a primeira vez que se fez
desde a última vez que nos vimos.
Como vento que sopra e vai embora
tua presença foi uma brisa fria e calma
trazendo o que eu sempre quiz,
levando o que eu mais precisava.
Se meus sonhos foram meras ilusões,
se te amando eu sonhava,
o que diriam os poetas e filósofos
sobre esta injúria?
Não foram erros os sorrisos
as lágrimas e os beijos
que senti e tive nesse tempo,
que mais parece um segundo de tão curto.
Não foi ilusão todo o brilho
e os abraços e palavras trocadas,
e a caminhada que percorremos
eu ainda não sei se chegou ao fim.
Tão pouco tempo, tantos feitos, efeitos
tanto tempo passou, passado, lembranças
como o relógio toca as horas,
a minha vida toquei sozinha.
Poderiamos fazer de conta que o vento não sopra mais
e que não precisamos de nada mais do que isso,
eu faria de conta que tudo está certo,
como é certo que amanha será um dia ensolarado.
Mas nada é tão errado quanto o jeito com que nos tratamos
Nem as frases mal ditas, nem os olhares desviados.
Nada é tão estranho quanto nossas vidas remotas.
Não me importa se há dias frios no verão,
ou quentes no inverno.
Tão pouco me importa se algo foi escrito e não lido,
algo lido e não dito,
algo dito e não pensado,
mas me importa o que pensamos existir.
Alecrim Crim
Enviado por Alecrim Crim em 01/09/2006
Código do texto: T230530

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dou os créditos a Julhana Pohlmann pois só ela entende seus textos. Visitem seu site no Recanto das Letras!). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Alecrim Crim
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 27 anos
374 textos (14622 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:37)
Alecrim Crim