Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nempuku Sato  - Alguns Haicais

Uma parte dos haicais de Nempuku está registrada em suas duas coleções pessoais, Nempuku Kushû e Nempuku Kushû dai-2. Porém, toda a sua produção posterior permanece inédita, salvo os haicais veiculados na revista Kokage, publicada até antes de sua morte, e na imprensa. Os poemas abaixo vêm de sua primeira coleção e estão entre os citados por Kyoshi Takahama em seu prefácio ao volume. Os originais em japonês estão transliterados para o alfabeto latino de acordo com o sistema Hepburn. Segue-se a versão, que procurou ser tão literal quanto possível. Tomou-se o cuidado de manter reconhecíveis os termos-de-estação (kigos), ainda que não sejam tão aparentes ao leitor que trava o primeiro contato com a tradição.


(Versões: Caqui)


natsugusa ya nagenawa ushi o etsutsu yuku

Ervas de verão --
Recolho com o laço
Os bois um a um.


inu orite ushi yorokobazu maki takibi

O gado incomodado
Com a presença do cão.
Fogueira no prado.

kambatsu ya makiba mo taore hajimeshi to

Grande estiagem --
Também o gado
Começa a definhar.


uma ni noru hakusha musubeshi hadashi kana

Montado ao cavalo
Com as esporas atadas
E os pés descalços.


norizome o ou ko segare no hadaka uma

Primeira montaria do ano --
Meu filho corre atrás
Do cavalo sem arreios.


shunrai ya futari nottaru uma ni muchi

Trovão de primavera --
Chicote no cavalo
Montado por dois.


hana kôhi mon irite nao uma ni muchi

Café em flor...
Ao entrar pela porteira,
Chicote no cavalo!


tokage kari hikko no inu mo seko no uchi

Caçada de lagartos.
Até o cachorro manco
Torna-se batedor.


buta no mure oitate imin ressha tsuku

Após tocar
Uma vara de porcos,
Chega o trem dos imigrantes.


kisha e kite kashi akanaeru kareno kana

Em volta do trem
Vendedores de doces --
O campo seco.


kageroeru senro e kisha o ori ni keri

O ar tremulando
Junto com os trilhos --
Desembarque do trem.


môfu se oi mezame dokei sagete yuku

Cobertor às costas,
Desligo o despertador
E me levanto.


kokage yori hito odori denu noji yudachi

De baixo das árvores
As pessoas saem dançando.
Chuvarada na roça.


rengakô mina shônen ya haru no kaze

São todos meninos
Os oleiros da olaria --
Vento de primavera.


iki shiroku kotoba mijika ni ki muzukashi

Palavras curtas
Envoltas no hálito branco.
Gênio complicado.


oite yuku otto ni asane no tsuma wakashi

Para o marido velho
A jovem esposa
Que dorme até tarde.


kare no sei ware o nirameru takibi kana

O grandalhão
Me encara
Por trás da fogueira.


kumi oeshi fukai ni mutare haru oshimu

Após tirar a água
Me recosto sobre o poço --
Vai-se a primavera.


fukai kumu onna kawarishi chôcho kana

Mudou a moça
Que bombeia a água do poço --
Uma borboleta!

eri maki ya shimpu to sasou takushi hige

Cachecol no pescoço --
A barba de pioneiro
Compete com a do padre.


kyoshi mon ni mugaku dai ichi hi tori mushi

O aluno de Kyoshi entre ignorantes.
Primeiros insetos
Em volta da lâmpada.


shin areba bun wa mijikashi shûtôka

Se houver fé
Poucas palavras bastam.
Lume outonal.
Akasha De Lioncourt
Enviado por Akasha De Lioncourt em 02/09/2006
Reeditado em 09/01/2007
Código do texto: T231350
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Akasha De Lioncourt
São Paulo - São Paulo - Brasil, 45 anos
706 textos (1034999 leituras)
72 áudios (109735 audições)
30 e-livros (56853 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:21)
Akasha De Lioncourt

Site do Escritor