Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desleixo

Uma maneira desleixada de escrever,
uma maneira desleixada de arrumar
o pensamento que não pode pretender
a tua imagem um instante evitar.

Fico triste e não consigo entender
porque não posso ao lado teu sempre me achar.
Mais triste ainda, eu concluo não saber
como é que vou da minha vida te tirar.

Inconformado, as horas passo de lazer
me desleixando na maneira de pensar.
Faço um esforço, mas não dá pra perceber
porque tua imagem não consegue se ausentar.

Não importa o nome, o que quero é te ter,
pois me consome essa vontade de te amar.
E a frustração: querer nem sempre é poder.
De ilusão vou ter que me alimentar.

Eu não sabia que podia aparecer
alguém assim com esse jeito de entrar
na minha vida. Como vou me proteger
de uma coisa que é impossível controlar?

E me desleixo, e me maltrato, e vou sofrer
se for melhor do que somente desejar
alguns momentos a teu lado só pra ver
a hora em que eles vão ter de terminar.

Sou desleixado na maneira de dizer
que eu queria, mas não posso te tirar
das coisas que me dão motivo pra viver,
e que também me dão motivo pra sonhar.

O tempo passa e ele ajuda a envolver
o meu desleixo e a tua vida. Mas será
que é isso mesmo que devia acontecer?
Essa inconstância vale a pena incentivar?

Te sinto longe, divertida, a querer
de limitado modo se interessar
por tudo aquilo que eu, pra ti, consiga ser.
Te é bom saber que só consigo te amar?

É irrelevante. O que incomoda é correr
atrás do que jamais se pode alcançar.
Receio que isso eu veja e possa perceber
a relevância de parar pra descansar.

Isso é amargo e escurece meu viver.
Melhor pensar que nos teus braços vou ficar,
me lambuzar no doce beijo, me aquecer
com a chama que em teus olhos quero encontrar.

Falo do Sol, do oceano. E vai chover
um lago azul pro meu delírio afogar.
Mas um colírio quero usar pra não arder
meus olhos quando te sentir sem te olhar.

Na minha imagem não consigo me esconder,
não ligo o jeito que é melhor de se trajar.
Se meu cabelo não me importa é porque
tua mão não quer o pente nele empregar.

Passa um barquinho. E um coqueiro a gente vê
que está sozinho e que podia abrigar,
com a sua sombra, o meu corpo a se espremer
contra o teu corpo em cima da areia do mar.

O Sol se atreve a com seus raios te aquecer,
mas teus gemidos o obrigam a corar.
E ele assim agora em mim vem se estender,
mas sem saber que o teu calor chega a queimar.

Depois da ânsia, a relutância do prazer,
a importância de fazê-lo perdurar.
Mas chega a hora e não dá mais pra se conter
e agente quase morre de tanto gozar.

Quem sabe a chuva com meu modo de correr
teria a chance de poder me alcançar
e me ensopar de uma tristeza, e me deter,
senão não vou poder de ti me desligar.

É claro, isso não queria, mas pra quê
trazer meu barco se a lagoa vai secar?
Me compreenda e me auxilie a não querer
em área que é impossível navegar.


Rio, 26/03/1977
Aluizio Rezende
Enviado por Aluizio Rezende em 11/09/2006
Código do texto: T237303

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aluizio Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
6596 textos (144490 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:14)