Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MORTI DO BUSCA PÉ...

U dia já amanheci
I as muié já nu quintar
Lavandu rôpa, ralandu miu
Nus arpendri, nus degrar
I o primeiru latidu du dia
Mórbidu di dá ásia
É du pobri du Busca Pé
Aqueli
U tar di Zé
I sem pra modi avisá
Arrepiu lhi percorreu
Correu pru meiu da rua
Charreti vinha chegandu
Olho pru cér
Busco a lua
I u cavalu num parô
Cortô eli inguar filé
Foi aquela mardita roda
Qui dizimô buscapé
Na ardeia intritecida
Chora homi, chora muié
Chorava tumém Firminu
Qui conheceu desdi mininu
U podri coitadu du Zé
I triste gritô anssim
Qui vida é essa mardita
Qui trás arguém duas vez
Pra modi si amargurá
U Zé sempri foi honestu
Corno, purém mudestu
Sofreu qui foi um horrô
Sofreu infância arredia
Casô cum a puta da Maria
E duas saia criô
Foi rejeitado nu cér
E u diabu lhi fisgô
Vortô cum mardita fomi
E seus amigu u ispantô
Vê si agora
Nossa Sinhora
Pru Zé da mais atencaum
U pobri dispedaçadu
Tripa di fora e cagado
Já cumpriu sua mardiçaum
Leva essa arma sofrida
Qui vários corpu já uso
Dá cantinho, bem quentinho
Pru Zé, que desda da infância
Pru causa di seu trabaiu
Ainda num discançô
Nem seus santu
Nem Jisus
Aquele cravadu na cruz
Num há di intendê qui aqui
Só tem ódio i sofrimentu
Escárnio em cada momento
Vô cunfissá à vóis micê
Dá inté medu di morre
Foi aí qui di repenti
Uma voiz forti i ardenti
Parecendu Presidenti
Pra modi a ardeia falô
Não sô Pedru nem Juaum
Nem Nossa Sinhora tumém
Sô eu mesmu, o artíssimo
I vô resorvê u desdém
Zé sofrido, o Busca Pé
Tua sorti vô acertá
Entendu teu sofrimentu
Teus anseiu, teus tormentu
I resolvi ti ajudá
Mas têm qui mi prometê
Devoção e caridade
Pois agora vois micê
Vai sê homi di verdadi
Vai incarná sacerdoti
I minhas palavra pregá
I dependerá da sorti
Pra us coracaum incantá
Pois num sabi nem falá
Maria vai vi tumém
Pois mesmu morta
E na putaria
Ela ainda ti qué beim
Será uma pobri menina
Vesga e magra di da dó
Di profissaum “Toca Sino”
Seu nomi é Zica Jiló
Nova vida vai ocê tê
Pra modi mi convecê
Qui pru distino
Fiz linhas torta
Nessa terra quase morta
Mas é prus homi di beim
Nu dia du tar juízo
Tê minha bençum tumém
Agora vai, anciaum
Resgata as arma du infernu
Prega amor e verdade
Mas olha lá seu piaum
U Diabu qui ti carregui
Si nus dízimu tocá
Pois é dali qui a Igreja
Num pára di prosperá

“E foi ansim que u tar di Zé, aqueli, o Buca Pé, teve seus dias em fim. Hoji é homi di respeitu. Sério di dá inveja. Só mesmu qui u tar sujeito, já percebeu que a Zica, mesmu vesga i isquisita, dá cardu nu carderaum. Dexa crecê mais um porco, fica moça e aí quem sabi, pra modi qui já tem sorti, ela si ingraça intaum”.
O Guardião
Enviado por O Guardião em 12/09/2006
Reeditado em 16/09/2006
Código do texto: T238485
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
O Guardião
São Paulo - São Paulo - Brasil, 51 anos
364 textos (34436 leituras)
13 áudios (2409 audições)
2 e-livros (1988 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:42)
O Guardião

Site do Escritor