Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Vi uma estrela caindo

                                             Eram seus olhos sorrindo

          Sorriso de enorme satisfação

                                                                  Por me ver prostrado ao chão


               Tinhas na linda boca um início de frase

Sabias que me faria tremer na base

                                                                                             A palavra não dita

                                  Era a setença maldita


A sentença que me condenaria 

                                                                   Pelo resto de meus dias

                     Louco pensamento me invade

                                                                       A conclusão de que se acabe


                                                                                                             Em um só dizer

                                                                        O fim de meu viver

                                               Qual algoz, machado na mão

                                                                                              Toma toda precaução


          Aguardo o golpe final

                              Logo descerá a lâmina fatal

                                                        Como um relâmpago me lembro 

                                                
Meus versos tortos

                                                                De decúbito, mortos

Clamam tua presença

                                                Em mente de ausência 


                                                                                          Queria fazer poesia

                                                                  Falar da alegria do dia

                                                    Do amargor da noite

                                          Do chicote, o açoite


De tudo que para nós imaginei

           De tudo que para nós já nem sei

                        Do que tanto acalentado

                                     Findou, está acabado


                                                                                        Nada foi planejado

                                O destino malfadado

                                                                        Fez encontro

                             Fez o desencontro


                                                                                        Fez a felicidade aparecer

                                                        Num átimo esvanecer

                                 Um feliz momento

            Um longo tormento


Um sentimento alvissareiro

Acalentado por inteiro

Uma inconsequente tragédia

Se não houvesse dor, seria comédia


                                                                                             Pensar em ti todinha

Sonhar contigo inteirinha

                                           Amargar o não vir a ser

Motivo de não a Ter.


                                    Do início , talvez setembro

                                                   Pelo corpo teu endoidecido

                                                              Me tornei lascivo e atrevido

                                                                                        Vivia embevedido 


                                                     Até na alma, envolvido

                               A verde esperança amaninou

                 Amarela se tornou

               Do coração fechou o sorriso 


Já sabia ser um aviso


A culpa é minha

Intenção nunca tinha

Se deu no que deu

Não importa,

                                           O pescoço é meu.
GDaun
Enviado por GDaun em 14/09/2006
Código do texto: T239861

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
GDaun
Lupércio - São Paulo - Brasil, 72 anos
653 textos (42994 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:27)
GDaun