Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Deficiência visual ( feita a pedido do amigo Farney Martins )

No meu mundo de escuridão
meu pensamento vai passear
vai formando na imaginação
figuras que estão a me rodear


Não sei nada dos passarinhos
que em meus ouvidos estão a cantar
também nada sei dos seus ninhos
mas fico aqui a imaginar


Falam de um céu azul clarinho
com núvens brancas de algodão
algodão eu já senti e é bem fofinho
imaginar o céu assim causa-me emoção


O dia e a noite são diferentes
estes eu posso identificar
de dia os ruídos são estridentes
e a noite tudo parece se acalmar


Meu mundo é muito limitado
muito que desejo não posso ter
mas tenho outros sentidos mais apurados
que me permitem outras coisas fazer


Isso não me causa infelicidade
nesta vida estamos para aprender
e nesta escuridão encontro claridade
e é na dificuldade que se aprende a viver


Com certeza que eu gostaria
de não ter deficiência visual
antes isso me causava apatia
mas hoje encaro como algo natural


Me sentia muito amargurada
por não ter o dom da visão
mas para isso fui sendo preparada
e aprendi a aceitar a situação


Fui aos poucos lapidando meu coração
e aprendi a olhar com os olhos de Deus
que se faz braços, pernas e visão
guiando todos os passos meus


Mas não é fácil ter cegueira
sem poder as cores conhecer
não dá para viver dessa maneira
sem às vezes se aborrecer


Queria saber da cor da macieira
ter uma vida bem normal
sentir-me alegre e bem faceira
ao olhar as fantasias de carnaval


Coisa simples é o meu sonhar
não almejo nenhuma riqueza
apqnas uma vez queria enxergar
para gravar na mente todas as belezas


Queria ter por minhas retinas
um outro olhar fotografado
como todas as meninas
encontrar um namorado


Fitar seus olhos apaixonados
e devolver-lhe o brilho do meu olhar
mas meus olhos são lacrados
e esse momento não posso compartilhar


Como todos busco felicidade
me utilizo mais do tato
com ele tenho mais facilidade
para realizar-me no que faço


Sou feliz como sou
e da vida não vou reclamar
o que eu passo, muita gente já passou
e muita gente ainda vai passar


Só desejo que todos sejamos respeitados
que não sejamos ofendidos
queremos todos amar e ser amados
e não queremos ser excluídos.




milizinha
Enviado por milizinha em 19/09/2006
Reeditado em 20/05/2011
Código do texto: T244110

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
milizinha
Rio do Sul - Santa Catarina - Brasil, 52 anos
637 textos (94446 leituras)
1 áudios (272 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:15)
milizinha