Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu vou onde o povo está!

Isso aqui sempre foi um lugar perigoso, barra pesada, lugar de pessoas ignorantes, brutas, verdadeiros animais.

 Dizem que aí pelas matas há uns riozinhos limpos, umas cascatinhas ruidosas, onde se deixam presentes para Iemanjá. Dizem que ela gosta de lá.

 Mas aqui, no desmatado, há muitos barracos de palafita, é favela na baixada e esgotos sujos, com umas passagens estreitas de tábuas de obra. Você passa e a tábua verga toda. Cair nessas valas é a pior coisa que existe. Você fica todo emporcalhado das mais horríveis porcarias. Iemanjá não pode gostar dessas águas podres. É por isso que ela não vem cá. Você é que tem que ir lá onde ela gosta.

 Outro dia esteve aqui o seu Pascoal, vereador pedindo votos. Meteu o pé na tábua e ela se espatifou. Seu Pascoal caiu com a bunda gorda no fundo da vala. Acabou com o terno de linho noventa.

 O seu cabo eleitoral havia alertado: “Não vá seu Pascoal, que é muito peso”. Mas ele entusiasmado foi. “Eu vou onde o povo está”.

 E foi mesmo. Meteu as fuças no meio da merda. Exatamente onde o povo está.
Jacques Levin
Enviado por Jacques Levin em 20/09/2006
Código do texto: T244779

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o link do autor e o link da obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jacques Levin
Vassouras - Rio de Janeiro - Brasil
1171 textos (104469 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:06)
Jacques Levin