Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu Veneno

Eu nada tenho a dizer,
a não ser: chegou o Fim.
Nem um pouco importa a mim
se meu poema é veneno,
se meu poema é um corte
de morte, de morte, de morte.

Não há mais nada a fazer;
o tempo dá um grito e morre,
o sangue do amor escorre...
se meu poema é veneno,
é de um fantasma catártico:
um trágico, um trágico, um trágico.

Nosso destino é morrer
tragando o vinho que espera
nos olhos da ânsia da fera...
Sim, meu poema é veneno,
licor de rosa indefesa:
tristeza, tristeza, tristeza

Meu Blog: www.poemasdoterminoecontosdofim.blogspot.com

Alessandro Reiffer
Enviado por Alessandro Reiffer em 21/09/2006
Código do texto: T245428
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alessandro Reiffer
Santiago - Rio Grande do Sul - Brasil, 38 anos
289 textos (23240 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 08:06)
Alessandro Reiffer