Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LOUCURAS DESENGAVETADAS, À MÃO

1.
Passei pelos corredores
escadas elevadores...
a vida projetou-me
no mais alto dos altos edifícios.
lúcido, como o mais louco dos loucos
vi todos os perigos possíveis
irreveláveis
vi a razão da vida esfacelada,
mostrou-se sem véus
sem céu: tudo inferno vivo
o desespero bateu fundo
e o coração disparou rumo ao precipício.
segurei-me no corrimão da reza
xô satã!

2.
Satã é assim:
sempre vem desesperar meu sonho
interceptar-me
desesperançar minha vida.
me levar à babel
pra ver os desencontros
distorções humanas
me jogar contra o muro das dores
me fazer ver o só
sem saída
sem cabeça
implantar labirintos em parafuso
e o seu chip de clareza
obrigado!
lucidez demais é risco
perigo
funil
dispenso
fico no confuso no difuso
pouca luz por favor!

3.
Tire a cabeça.
tiro na cabeça.
não, tiro a cabeça
esqueço-a
amanheço e anoiteço
ciente
fico atento e forte
ou o meu barco vai à pique.
não, não há saída fácil
frágil fico
se rédeas condutoras escapam
às mãos
como chegar ao destino
se o meu carro de cada-dia.
é cavalo louco
surdo
absurdo

4.
Não me encanto
com cantos de sereia
não, não me iludo
sei: loucura e lucidez calçam iguais
mas usam sapatos diferentes
fico atento ao tempo,
pois o vento não cessa
movimento.
argumento pra levantar
e andar contra
só para o cabelo voar
no contra-fluxo
não entendo tudo
mas
se fosse claro todo mundo via
loucura é perto
ronda
joga sua rede na alma
pesca no turvo do cérebro
acelera o ritmo
o pulso
quer tudo
o impossível
por isso desanda e nada quer
no momento seguinte
parafuso
não entre!

5.
A vida é assim: tudo escuro
becos mudos
imundos
submundo total
onde a luz se desvia
olhos que fecho
flecha
feridos de luz

6.
Lavar a alma
n’água de fonte
é necessário
tanto quanto ouvir música
prender luz na poesia
esquecer um pouco
o absurdo
relevar o perdido
esvaziar o pote é preciso
o cântaro
derramar águas
mágoas
cantar loas
é necessário
como salário
como conquistar amores
mesmos os vãos
os que se vão pelos ralos
os raros
como limpar poeira dos cantos
as gavetas que invento
chover é sempre bom
pra dentro também funciona
tente!


7.
A vida é assim:
engana mas depois se revela
não é novela
é como novelo
sem enredo pré
mas desenrola
é um filme ao vivo
sem ensaio
por mais que se queira e quero
juntar destinos
eles seguem na paralela
bifurcam-se
libirintam-se
apesar das nossas mãos
estendidas
e das migalhas-iscas
tem ruas que não se cruzam
inexoravelmente
é assim!


...........

Do meu caderno:  Loucuras de gaveta á mão
Célio Pires de Araujo
Enviado por Célio Pires de Araujo em 25/09/2006
Reeditado em 26/09/2006
Código do texto: T248703

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Célio Pires de Araujo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Célio Pires de Araujo
São Paulo - São Paulo - Brasil
1075 textos (32927 leituras)
2 e-livros (236 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:28)