Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto




Habito numa árvore enorme
Em que cada animal dorme
Fechado no seu egoísmo

Moro numa selva nua
Anónima, desabitada
Onde tudo se atropela.

No meio do meu silêncio
Ergo a minha voz e canto
Ou, se há demais sofrimento,
Ninguém se ri do meu pranto.

Entre terra e céu construo
O meu jardim, nele habito.
Chamo-lhe Éden e ninho
Canto alegre, meu recanto.

Pássaros chamam e eu digo
O que digo e vejo e escuto
Meu carinho retribuído.

Crescem flores em todo o lado.
Tenho os rios num aquário
E o sossego em que fico.

Há duas felinas mansas
Que vêm pedir-me mimo,
Como fazem as crianças.

Quando a dor é meu tormento
Vêm pousar-me no colo,
Consolar-me com carinho.

Lá fora, dizem, é o mundo!
Mas aqui dentro asseguro,
Meu oásis no deserto

... chamo-lhe meu paraíso.

Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 25/09/2006
Reeditado em 25/09/2006
Código do texto: T249267
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Petronilho
Almada - Setúbal - Portugal, 64 anos
1238 textos (130540 leituras)
60 áudios (14347 audições)
9 e-livros (5156 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:25)
Maria Petronilho

Site do Escritor