Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NADA POÉTICA

 
Porque guardo segredos, não falo da verdade do meu coração.
Porque não gosto do que vejo no espelho, não reflito a beleza escondida.
Porque amo o bonito e suave, calo o ódio ao feio, ao rude, ao violento.
Porque o cotidiano é estéril, não publico os  frutos da experiência dos dias.
Porque a realidade é estúpida, vivo-a silenciosamente.
Porque a desigualdade existe, apenas falar dela não a torna diferente.
Porque ser lúcido  é não jogar a criança com a água do banho,
Porque existe coerência interna em optar pela felicidade como bem estar e se preocupar com as crianças famintas.
Porque dizer não à culpa e sim à lucidez.
Porque o por quê destes porquês é o subtexto deste desmando frio, a feiúra da criança na Lagoa da Pampulha, a dialética entre o bestial gesto e a beleza vitoriosa da criança viva.
Porque já não existe o indizível, o mundo berra aos  nossos ouvidos o código do imponderável.
Porque assim, meu sentimento do mundo é a prosa sem poesia.


Outubro/2005
DIANA GONÇALVES
Enviado por DIANA GONÇALVES em 28/09/2006
Reeditado em 21/10/2006
Código do texto: T251250
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ((Diana Gonçalves - pseudônimo) http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=1908). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
DIANA GONÇALVES
São Paulo - São Paulo - Brasil
647 textos (753023 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:56)
DIANA GONÇALVES

Site do Escritor