Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sêmen e Lágrimas

Por que olho no espelho
E me vejo afogando
Na própria carne?
Nada tenho a dizer ao criador
Além de frases inúteis e sem sentido!

A água sempre doce
Para quem tem uma paixão
Maior que a eternidade
Não temes a velhice
Pois é o futuro de um jovem!

Talento nas artes
O peito inflamado
Sofre de amores impossíveis
Nada mais
Esta é a razão de todas as criaturas!

Céu negro
Espelho de prata no curso do rio
O fogo queima no infinito
Pouca coisa no cosmo
Pertence aos homo-sapiens

Este coração amaldiçoado
Por canções guerreiras
E sereias semi-nuas
Ainda me pertence
E eu o dou para quem eu quiser!

Por quem me tomas
Oh! Destino ingrato
Já não feristes a mão de Ofélia
Com rosas inférteis
Regando a terra com sangue puro!

Se cala, se cala
Oh! Voz infame que se oculta
Na cortina dos quartos dos amantes
Talhando a pedra inocente
Que brotou do ovário!

Já não sou dono do chão
Pertenço ao ar e ao mar
E te amando
Amarei a todas as coisas
Do universo!

carlos assis
setembro 2006 

carlos assis
Enviado por carlos assis em 29/09/2006
Código do texto: T252460
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
carlos assis
São Paulo - São Paulo - Brasil, 59 anos
3123 textos (126871 leituras)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:38)
carlos assis