Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ai do meu povo!

Ai  do meu povo!

Entrei no salão, com a roupa amarrotada,
e os sapatos sujos da vermelha terra, a
aparência  é abatida como a de um caipira
que chega do trabalho do roçado.


Mãos cheias de calos dos latifúndios
As palavras são mal soletradas
Mescladas com Tupi guarani e I Love you
Não tenho os direitos de minha terra


Meu povo é simples, acostumado nas beira dos rios a
Construir suas cabanas, só eu vivo na ilusão
Alcançar fronteiras, por isso sinto as saudades
Da mãe, e dos irmãos de sangue


Meu canto é triste porque minha mãe é ingênua
Minha casa é grande, mas não tem janela ou portas
Cadê meus rios, e as matas e aqueles corações quentes
Onde estão meus defensores?
Comendador Carlos Donizeti
Enviado por Comendador Carlos Donizeti em 08/10/2006
Reeditado em 18/08/2008
Código do texto: T259454

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Comendador Carlos Donizeti
Hortolândia - São Paulo - Brasil, 58 anos
135 textos (4261 leituras)
12 áudios (448 audições)
6 e-livros (568 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:21)
Comendador Carlos Donizeti