Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quatro horas e tudo bem

Agora, às quatro horas
Quatro mundos me separam
Da frieza da aurora
Do destino a me torturar
Sem drogas, sem beber
Sem cigarro nem remédio
Sem depressão nem tédio
Só saudade de você.

Quatro horas no tempo molhadas
Vão passando num corre-corre
No tempo, o relógio morre
As horas secando apressadas

Sinto o passo de cada segundo
Mais rápido que o meu destino
Que as batidas do meu coração
São minutos em desatino

Quero substâncias boas
Que meu próprio organismo produz
Quero consumi-las todas
Quero enxergar sua luz

Quero poder de sair do escuro
De perder meu medo de apostar
Quero sair do meu mundo inseguro
Quero fazer a máquina funcionar

Querendo morreu um burro
Morro querendo também
Pois se meu grito é sussuro
Eu grito o grito de quem?

Onde está o maldito botão
Que inicia todo o processo
De fazer o que se quer
De acabar com esse recesso?

Sempre soube que precisava
De pouco pra ser feliz
Mas não sabia que se cobrava
Os olhos da cara e o nariz.

Preciso esperar tanto?
Preciso contar com a sorte?
De que é feita a gente que faz?
Onde se ensina a correr atrás?

Qual faculdade que ensina
A sobreviver no Brasil?
Alguma na conchinchina?
Ou na puta-que pariu?
Odemilson Louzada Junior
Enviado por Odemilson Louzada Junior em 10/10/2006
Código do texto: T260642
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Odemilson Louzada Junior
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 42 anos
299 textos (13660 leituras)
1 áudios (33 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:23)
Odemilson Louzada Junior