Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
O ASSASSINO DA POESIA (4)



O assassino da poesia
É o ser da boemia.
Vive acordado à noite
E dorme durante o dia.

Vive atrás de freguesia
Entre os colegas de sina...

Fingindo capacidade
No seu traço de escritor,
Fecha os bares da cidade,
Entre o coma e o estupor...

Escrevendo em guardanapos
Clichês sem sentido e chavões,
Acabava lavando pratos,
Entre frases e borrões...

Tudo para pagar a cerveja
Que, pensa ele, inspirou
A compor a tal cantiga
Que a noite inteira ensaiou.

O assassino da poesia
Perde todos os limites,
E insiste na sua escrita
Matando a batata frita,
Fria, que sobrou lá no fundo
Da fritadeira do último bar.

Enfim, vindo a luz do dia
À visão lhe ofuscar,
Por obrigatória defesa,
Precisou seus olhos fechar.

E sonha existir beleza
Na cantiga em som de sino,
A mentira da falsa alegria
Da poesia do assassino.

                 *****
José Carlos De Gonzalez
Enviado por José Carlos De Gonzalez em 14/10/2006
Código do texto: T264068
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Carlos De Gonzalez
Itu - São Paulo - Brasil, 66 anos
556 textos (58837 leituras)
299 áudios (25422 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:22)
José Carlos De Gonzalez