Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Gentil assassino

 
O tempo é o assassino que não mata
Tortura silenciosa mente
Nem aos poucos tira a seiva da vida
Cria as condições para morte
Como se corte fosse passado anos a fio
Até me arrepio ao vê-lo sadio e sádico
com a paciência de uma tartaruga

Voluptuoso a balançar-se nos seus idos longevos
Não tem credo
Não é credor
Basta a dor de saber-se vivo... até agora
nesta hora já tão pesada
que custa a carregá-la
no labor de uma estiva que não pedi

Senta-se à beira do ocorrido
Anestesiado, falta-me as últimas conseqüências a ultrapassá-lo
Somente o sonho impede sua vanglória
Erma como uma cidade vazia

No sol que me transparece
Até parece que sou brilho
Nos trilhos a passos feitos
Que desde o leito caminhei

Prefiro a felicidade de um abutre livre
sobrevoando etéreos altiplanos
Transpondo montanhas
Tendo o peito massageado pela queda livre controlada

Acreditar na crença sem questionar
é prova de pouca fé naquilo que não se sabe
Hoje o dia vagueia indiferente
ao quanto sou igual aos dias contados
nas mãos do assassino invisível
Pronto, caminha a meu lado
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 16/10/2006
Reeditado em 17/10/2006
Código do texto: T266197
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
199 textos (8366 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:49)
leandro Soriano