Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Evolução destrutiva…

               Essa noite ganhei asas,

                transformei-me num ser alado

                com asas luminosas…

                Depois de voar e pousar

                à beira do Lago Azul,

                voei pela noite fria,

                voei sobre uma cidade enorme

                e vi que lá todos obedeciam

                as leis dos homens;

                todos obedeciam os mandamentos

                e os juízos de Deus;

                todos se amavam,

                todos eram conscientizados

                e respeitavam a vida;

                havia empregos para todos

                e não havia ladrões

                nem foras da lei

                de nenhuma espécie…

                os prédios eram de última geração,

                as calçadas eram largas

                e as ruas, todas limpas;

                não havia traição entre os casados

                e todos os filhos

                respeitavam seus pais…

                Todos os carros eram elétricos

                inclusive os ônibus, os caminhões

                e o metrô;

                - não poluíam

                o meio ambiente

                de nenhuma forma.

                O sistema de saúde

                funcionava perfeitamente

                e o sistema judiciário

                era uma maravilha;

                Em cima dos poucos

                muros que havia

                ao invés de cacos de vidro

                e lanças, - havia flores!

                Até que acordei

                com o sol que sobe

                e desce e com o vento

                que vem para o sul

                e volta para o norte…

                Havia sonhado

                com uma cidade

                que não existe,

                que nunca vai existir!

                “- Acordei!”

                “Acordei” com o cheiro

                de átomos queimados!

                Olhei para o horizonte

                e vi o cogumelo atômico,

                formado de gases aquecidos,

                poeiras, cinzas, vapor d’água

                e outras partículas.

                1945, a bomba A

                devasta Hiroshima!

                Bomba A:

                Bomba Atômica.

                Atômica:

                Referente ao átomo;

                Átomo:

                A menor fração de um elemento;

                é constituído essencialmente

                de um núcleo (que contém só prótons

                e elétrons onde praticamente

                concentra-se a massa do átomo)

                e uma coroa externa

                 (constituída só de elétrons)

                Átomo, a menor partícula da matéria,

                ah! o homem já descobriu uma partícula menor,

                o homem evoluiu, -

                o homem evoluiu! ha! ha! ha!

                Urânio:

                Elemento químico, metal radioativo,

                símbolo U, de peso atômico 238,14

                e número atômico 92;

                Plutônio, número 94;

                estrôncio, número 38;

                césio, número 55;

                Bomba B (evolução destrutiva…)

                Calor atômico:

                Capacidade de derreter tudo

                em fração de segundos…

                Poderia falar e falar…

 

                Não estive lá, mas posso ver

                o cogumelo atômico

                e tudo fritando,

                posso ver os corpos esturricados,

                posso ouvir os gemidos nos porões,

                posso ver as valas pútridas

                com dezenas de corpos,

                “vitimas dos chefes de estado…”

 

                O homem vive em tempos modernos,

                há os que evoluíram mentalmente,

                mas os que ainda

                pensam e agem quais

                nossos “supostos” trogloditas ancestrais!

 

                O mundo dá voltas:

             
                Os insanos e os injustos

                acumulam seus troféus,

                vencem as guerras,

                mas nunca venceram

                a guerra que travam

                dentro de si mesmos!

 

                “Felizes os homens honestos

                que dentro de si

                correm rios de paz!…”
Mário Vigna
Enviado por Mário Vigna em 19/10/2006
Código do texto: T267981
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mário Vigna
Votorantim - São Paulo - Brasil, 44 anos
9 textos (230 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:05)