Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PRAGA PARA AMOR BANDIDO

PRAGA PARA AMOR BANDIDO
(um pouco de diversão)

Parte I - Prólogo

Hoje vou dizer coisas que precisam ser ditas
Afinal, brio é uma coisa que tive e tenho
(Desde que nasci). Pois se há coisas malditas
Que merecem ser ditas, não me contenho,

Prefiro que me tenha em sua lembrança
Como alguém que reclama e grita “Não!”
Do que me encolher embirrado, como criança,
De quem tomaram um doce de algodão.

Eu estava bem quieto em meu canto, sozinho.
Se não era feliz, também não estava triste.
Pois, se um lado, tinha o sossego como vizinho,
Do outro tinha a paz que no sossego existe.

De amor em amor a gente sobrevive - e vive!
Mas, sem ninguém também se pode viver,
Pois, se somar os amores que um dia tive,
Haverá amores demais, pra nunca esquecer!

Parte II – O Encantamento da Serpente

Mas, você surgiu do nada e me bateu à porta!
Como quem não quer nada, você se aproximou.
Dissimulada, carinhosa, fazendo-se de morta,
Insistiu (eu resisti) e, persistente, me conquistou.

Apareceu-me, assim, como um anjo lindo,
Com olhos transparentes e meigo sorriso.
Alegrando o coração sedento de amor infindo.
Prometendo paz, amor, aventura e o paraíso,

Juro que não queria alguém neste momento
Em que minha vida estava saindo de um drama
E quanto me custou superar o sofrimento
Só eu sei como a vida me foi desumana!

Não sou ingênuo. Mas achava que merecia da vida
A minha vez de ser um pouquinho mais feliz.
Não fosse a vida essa meretriz bandida
Que só promete e não cumpre o que diz.

Não merecia que alguém chegasse agora
E viesse com promessas de imensurável amor.
O grande amor a gente sabe que demora.
Tem gente que morre sem sentir esse sabor.

Parte III – Perguntas sem respostas

O que será que você viu em minha pessoa
Que despertasse esse desejo de maldade?
Pois, ninguém conquista alguém assim à toa,
E depois abandona esse alguém na saudade.

Pode ser que buscasse vantagem material.
É comum usar pessoas como escadas.
Afinal, é mais fácil descer de um pedestal,
E subir de carona em vidas mais abastadas.

Mas, onde foi que exibi tanta riqueza?
Foram as fotos que tirei em Nova Iorque
Que deram essa impressão de realeza
E que eu vivesse como estrela de rock?

Ou será que é porque nasci paulista?
(brasileiro pensa que paulista é milionário)
A gente aqui também rebola como artista
E o salário vai embora antes do calendário.

Talvez um motivo plausível seja a vingança
Dos homens que teve e não lhe deram valor.
Mas, é incrível eu herdar essa herança
Se foram outros que causaram sua dor!

Ou, talvez, um outro alguém, paralelamente,
Você tenha cativado? Pois, é comum se investir
Em vários cestos para que, rapidamente,
Num dos cestos algum coitado venha a cair.
 
Parte IV – Filosofia barata

Essa hipótese não pode ser desprezada,
Pois, você em seu pensamento ambicioso
E que, sem pensar, talvez caiu na cilada
Achando que o amor viria depois, silencioso,

Com o tempo, crescendo lentamente.
Mal sabe que o amor é coisa incrível
Que a gente não acha diariamente
E forçar a amar sem ter amor é impossível.

O amor não depende de raciocínio
É como não querer adormecer, já dormindo.
É como querer resistir a um fascínio
E, ir se entregando a ele, mesmo resistindo.

Não depende da minha ou da sua vontade
Pois, o amor junta duas almas que se buscam,
E se torturam com a mesma velocidade
Em que se escondem, enquanto se ofuscam.

O amor não é só fogo que arde eternamente
Como o poeta cantou em seu delírio.
É mais, muito mais que isso, certamente,
Porque não tendo é vazio, e tendo é martírio.

Parte V – Indo pros “Finalmentes”: Lançando a praga

Finalmente, foi muito feio o que você fez!
Pois, se despertou o amor em meu peito,
Fosse mais gentil com ele e, talvez,
Ter dado ao amor dignidade e respeito.

O amor também tem sua maneira de agir
Com quem dele debocha e desdenha.
Não adiantará você esconder e fugir
Por mais esconderijos que tenha.

Em cada peito que você for se abrigar
Há de encontrar um coração de aço
Que vai seduzi-la até você se apaixonar
Para depois jogar fora o bagaço.

Não haverá uma cama em que você se deite
Que não seja partilhada com outra beldade.
Seus seios murcharão, ressecará o leite,
Com que sempre amamentou sua vaidade.

Suas formas, certamente, não sobreviverão,
Às marcas que o tempo e a idade vão trazer.
Os homens, havendo homens, se saciarão,
Com as amigas que vierem lhe entreter.

Do dinheiro que você busca, receberá trocados,
Que outros homens pagarão por seus favores.
Pois, na vida, aqueles que vivem rebaixados,
Recebem da vida, como paga, os mesmos valores

Que marcaram em suas etiquetas de produto.
E se houver uma pessoa com quem você se envolva,
Não for doente, nem viciado e pense ser astuto,
Terá um problema: não haverá alguém a quem a devolva!

(kkkkkkkkk.....)
Paulo Sergio Medeiros Carneiro
Enviado por Paulo Sergio Medeiros Carneiro em 27/10/2006
Reeditado em 29/10/2006
Código do texto: T275260
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Sergio Medeiros Carneiro
São Paulo - São Paulo - Brasil
63 textos (9678 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:31)
Paulo Sergio Medeiros Carneiro