Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Réquiem para um incrédulo

Chegaste há um tempo em que não se faz mais amor,
Pois o corpo só almeja o gozo mecânico da aceleração de movimentos.
A alma está irremediavelmente vencida pelo desgosto,
Pela incredulidade, e já não recita poema algum
Nem se compadece com choro de criança indefesa.

As horas passam e, sem motivação, embriaga-se;
Atola-se em enciclopédias que, cheias de sabedoria muda,
Só lhe imprimem um ritmo melancólico de assassinar o tempo.

Nenhuma palavra toca sua alma, só o silêncio lhe consola;
Entrega-se simplesmente a lembranças fatídicas e rostos sem brilho.
As flores tornaram-se plantas e nelas não existe encanto.
Os corpos são massas compostas de ossos, artérias e ignorância;
A lua está encoberta e as luzes dos postes se apagaram.

Você espera simplesmente a dissolução de tudo que existe.
Seu coração apodreceu, seu olhar é absorto,
Você não tem convicção no minuto seguinte
E sabe que o dia não nascerá pela manhã.
Morreste e em sua lápide não existem frases imemoriais;
Somente o silencio da descrença absoluta e a certeza de que,
No máximo, conseguira ser um espectro de si mesmo.
Roniel Oliveira
Enviado por Roniel Oliveira em 28/10/2006
Código do texto: T276143

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roniel Oliveira
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 35 anos
56 textos (3144 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:42)
Roniel Oliveira