Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lágrimas de gelo

Você chegou do nada
E roubou toda a minha atenção
Como o vento em fúria
Destruiu toda a minha razão.

Fez-me ficar imune
As flores do seu jardim
Agora sonho com o dia em que irá terminar
O que começou e com o que plantou em mim

Você pôs  em mim uma semente malíguina
Que conforme cresce,  destrói mais  a minha alma
Alma que um dia pertenceu a mim
E que agora pertence a ti.

Se isso é bom, eu não sei!
Talvez seja
A dor  do silêncio
O medo da solidão

Os pensamentos absurdos e infantis
O frio da sinceridade
Pedra de gelo escorrendo no meu rosto
Em vez de lágrimas

Sinto meu peito apertado e pesado
Aperto semelhante ao mar, quando nos afogamos nele
Como uma pedra de concreto
Aperto que me mata aos poucos, com um imenso desespero
E que me transforma a cada estação

Soube mover cada peça do seu xadrez
Com seu teatrinho de bonecas
Fez-me acreditar no infinito
Fez-me acreditar em suas palavras

E para quê?
Para quê?
Para mais tarde transformar tudo isso
Em lágrimas de sofrimento?

Com as lágrimas que escorrem dos meus olhos
Você pode regar o seu jardim de ervas daninhas
E o meu desespero
E o mais difícil, o seu despreso

Dramática e exagerada?
Talvez eu seja
Mas quem ama e sofre
Sempre é

Fez-me viver a sua e a minha vida
Queria que fosse simplesmente um sonho
Em que tudo não passasse de um simples enigma
Enigma que eu desvendaria para ir ao seu encontro

Apesar do meu semblante permanecer triste
Não sinto raiva de ti
Sinto pena por afastar-te de
Todos que lhe querem fazer feliz.
charlana thurler
Enviado por charlana thurler em 03/11/2006
Reeditado em 03/11/2006
Código do texto: T281063
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
charlana thurler
São Gonçalo - Rio de Janeiro - Brasil, 27 anos
8 textos (694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:22)
charlana thurler