Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS FIOS DE OVOS

_Acorda Tôi! Tá na hora  da lida!
_To ino Bastião,dexa eu lava o zói!
Mesma coisa de sempre na vida de Antonio e Sebastião, mas para Antonio era bem mais difícil, pois este tinha apenas sete para  oito anos, nem se sabe direito, o menino nem era registrado e ficou órfão antes mesmo de nascer, porque seu pai  morrera de morte morrida quando Dona Dolores estava no princípio da gravidez . Pobre “Tõi”, não sabia o que a vida lhe reservava, se soubesse nem teria nascido, ou talvez pela sua altivez, resolvesse mesmo enfrentar a  sina que o destino lhe reservara.
Antonio era o filho mais jovem dos 14 de Dona Dolores, mulher simples, criada para ser mãe e dona de casa. Isso era  comum no século passado. O menino recebeu o nome em homenagem ao  finado pai, João Antonio, e ali naquele lugar , sul de Goiás, chamado Arrependidos, duro era nascer e não se arrepender, pois logo cedo o menino foi dado a criar para o irmão mais velho, que acabara de se casar e já tinha seu rancho nos arredores do vilarejo, mas a  sua mulher ainda não tinha “encomendado cria”, assim o menino Antonio iria divertindo o casal. E foi aí que recebeu o apelido de “Tõi”.
Roçando pelo vale  de Arrependidos, crescia, mesmo que raquítico e muito doente,  “escapou por pouco” da maleita do vale.  Aos poucos desdobrava o brejo e os caminhos que a vida lhe reservava.
Em casa dormia no borralho do fogão e logo cedo pela fresta do “pau-a-pique” era o Bastião que vinha lhe acordar.
Mas o pequeno Antônio, Tôi, sofria muito. Quando em um pouso de folia da fazenda de Arrependidos, tomou seu banho na bica da laranjeira, com sabão de banha e  de lá vinha seu “pai-irmão” com uma  espécie de faca com cabo de bambu, para raspar-lhe a cabeça, então Tôi correu pela moita de  lobeiras, mas não adiantou, “entrou na faca”,porque o irmão odiava cabeludos e  assim ficou de “cabeça lisa”, em seguida vestiam-lhe um calção de algodão cru, com um cordão na cinta, costurado à mão e muito limpo, já a camisa tinha sido do irmão, mas estava reformada  e muito limpinha. Seus pés que sempre estiveram  no chão agora ganhariam um par de  “precatas de tiras” meio grandes, desajeitas, que o irmão costurou do couro curtido na paineira.  Assim Tôi foi meio que contrariado para a festança de folia, depois de chorar de raiva por terem-lhe cortado o cabelo negro que dava quase na cintura.
O grande desejo do menino era agora chegar logo no pouso de folia, pois lá haveria comida à vontade e doces, ah! os  doces!
Chegando lá o irmão e a esposa foram para a casa, o menino ficou de amarrar os burros no paiol com os demais e depois foi “espiar” os foliões. E como a reza já ia por do sol a dentro e a cantoria se estendia  em rimas de dar sono, ele foi rondar  a  “panelada” que ficava  na casinha da bica. E foi lá que Tôi  viu as maravilhas que até então só podiam existir em sonhos. Eram nada mais, nada menos que umas doze tachas  de doces que seriam servidos após  a reza do terço. Mas dentre todas, a que mais lhe chamou a atenção foi aquela que reluzia e borbulhava,  o doce  chamado “fios de ovos”.
Nem precisamos imaginar o que aconteceu,  se coloque no lugar dele, isso mesmo ele se lambuzou do doce, comeu tanto e  puxava os fios como se não fossem mais acabar e aquele brilho lhe fascinava.
Terminada  a reza as mulheres  e foliões foram, como de costume servir os doces em pratos esmaltados, bem cheios. E Tôi, já do lado do “irmão-pai”, como se de nada soubesse e nunca tivesse visto os doces rejeitava a cada um e ninguém o entendia, apenas insistiam e de nada adiantava.
Já no caminho de casa, bem tarde, montado no burro, mal se agüentava e nada podia falar. Em casa passou a noite na moita do lado da bica. Ninguém percebeu e na manhã seguinte lá vinha o Bastião:
_Tôi, eh, Tôi  acorda ta na hora da lida!
E Tôi, menino travesso, sofrido, depois de uma noite sem dormir, 8 anos, cabeça raspada, pé no chão, lá estava indo pra lida com a enxada nas costas.
Lena Leal
Enviado por Lena Leal em 06/11/2006
Código do texto: T284066

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lena Leal
Goianésia - Goiás - Brasil
40 textos (43207 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:49)
Lena Leal