Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto





Não sei de onde brota
A música longínqua que sinto.
Estou suspensa no infindo
E danço
Num solitário compasso
De silêncio
No palco imenso do mundo

Movem-se meus passos
Na vacuidade do abismo
Deslaçada de tudo
Derivo
Entre imaginárias notas

Ou gotas
Amargas como absinto.

Habituada ao fulgor
Do sol nas dunas
Ao reverbero nos grãos
De areia nas rochas nuas 
Sou a concha que rebola 
Ao rebentar cada onda
Onde o coração do mar
Está retraído, distante.

Bailo alheada e sozinha.



24/1/2004
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 09/11/2006
Reeditado em 09/11/2006
Código do texto: T286873
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Petronilho
Almada - Setúbal - Portugal, 64 anos
1238 textos (130524 leituras)
60 áudios (14347 audições)
9 e-livros (5156 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:53)
Maria Petronilho

Site do Escritor