Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A madrugada!

Uma madrugada, tudo quieto,
Impera a treva.
A solidão escuto,
vislumbro véus de crepe no horizonte da Natureza amarfanhada em luto.

Um pássaro noturno, depenado,
pousa num galho já se despencando
de uma roseira que nao dá mais rosas ou, se elas nascem,
nascem já murchando.

E, do relógio branco da parede, as setas apontadas para mim,
afirmam que esta miserável noite
parou no tempo e nunca terá fim.
Lobo solitário
Enviado por Lobo solitário em 10/11/2006
Reeditado em 10/09/2011
Código do texto: T287893

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lobo solitário
Jaú - São Paulo - Brasil, 29 anos
37 textos (2938 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:46)
Lobo solitário