Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS PERIGOS DE UM CACÓFATO

Arroz Agulha, de quem eu falei no Informativo AEJES do mês passado, é, também, conhecido no Bairro por Sabedoria. Os mais íntimos chamam-no de Arroz Agulha, em razão do formato de sua cabeça; os menos íntimos, de Sabedoria. Julga-se bem informado e discute sobre qualquer tema sem, jamais, alterar a voz. Também não tem compromisso com a verdade.
No dia de finados, cerca das 14 horas, encontro-o, meio de fogo, encostado a uma árvore, na Praia do Suá. Exibia um inchaço no rosto, do lado esquerdo.
- Arroz, boa tarde, o que causou esse inchaço no seu rosto? – perguntei-lhe eu.
- Foi um cacófato – respondeu-me ele.
- Cacófato! – surpreendi-me.
- Sim, esclareço. Você sabe que ave  é uma interjeição, vem do latim ave e é uma forma de saudação, equivalente a salve. Pois bem. Ontem eu estava em frente ao boteco da esquina, sentado num caixote, quando passou um cidadão, para mim desconhecido, deixou uma moeda num lado do caixote e, com o braço direito, fez um gesto, que eu entendi como um cumprimento. (Tenho a impressão de que ele pensou que eu era um mendigo). Em resposta, eu dirigi o olhar para ele, levantei o braço direito, e lhe disse ave.  Eu não tinha, ainda, abaixado o braço, quando senti uma pancada forte no meu rosto. Foi uma tremenda bofetada, dada por aquele cidadão. Não fosse a surpresa eu até que poderia ter  revidado, pois tenho condições para vencê-lo com uma mão só.
Entre curioso e estupefato, perguntei-lhe: - e que providência você tomou ?
- Nenhuma. Conversando com meu pai, contei o ocorrido, e ele, sem pestanejar, gritou: - foi o cacófato.O cara chama-se Adão, aposto. E acrescentou: - você ainda era muito pequeno quando eu fui enxotado de uma residência, onde estavam muitas pessoas, homens e mulheres, sob xingamentos e vergastadas, simplesmente por causa de um cacófato. Eu contava a história de um sítio rural que comprei. Eu dizia que comprei o sítio sem vê-lo, simplesmente porque um amigo me informara que no terreno tinha muita, mas muita pita. Eu raciocinei alto: onde abunda a pita a terra é boa.
- É...
-Pai – gritou Arroz.
O pai, que passava na calçada, do outro lado da rua, se aproximou e, ao me cumprimentar, exalou aquele cheiro de cana, da boa.
- Pai, o sr. sumiu. Aonde foi ? perguntou Arroz.
- Participei da reunião de condomínio. Fui indicado como candidato a síndico. Quem indicou foi dona Creusa. Você não acredita, mas essa expressão saiu da boca dela: Fio, você deve ser o síndico, porque é pessoa séria, educada, trabalhadora e estimula a convivência harmoniosa.
Saímos dali, os três, e fomos tomar uma cervejinha no restaurante “São Pedro”. Tão logo sentamos à mesa, Fio tomou a palavra:
- Cacófato – disse Fio – é perigoso, mas só quando dito por pessoa sem expressão. Num dos jogos do Brasil na última copa, no auge da partida, um figurão gritou bem alto e próximo a um microfone, aberto, de uma TV: - dá a bola, Cafu. E Cafú d...quer dizer, passou a bola. E o que que aconteceu ? Nada.
- Pai - tomou a palavra o Arroz – eu passei a noite de ontem e a manhã de hoje pesquisando sobre cacófato. Desculpe-me, mas o Sr. não tem razão. Camões, um dos maiores poetas de todos os tempos, ao sentir saudade da sua mulher, Natércia, que estava, se não me engano, na África, deve ter pensado – eu amo ela. Nada mais justo do que dedicar-lhe um soneto. Passando da idéia à ação, escreveu: “Alma minha gentil que te partiste...” Sabe o que lhe aconteceu, pai? Furaram-lhe um olho.
Bem – disse-lhes eu – tenho compromisso com minha família. Assim, vou-me já andando.Até a próxima.
- Fio da p..., pensei eu, já um pouco distante.
levy pereira de menezes
Enviado por levy pereira de menezes em 12/11/2006
Código do texto: T289270
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
levy pereira de menezes
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 82 anos
143 textos (7429 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:58)