Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Filosofarto

Não me ocorre quem nasceu com um breu
Que não se flash e num certo mexe
Saberá o que é seu
Tarde ou ainda mais tarde
Quem se retarde terá seu sonho jaz

Treme na vista do otimista, miragens pessoais.
Vejo não nego que não sou cego pras vistas do viver
Mas como um prego,
Às vezes me entrego à força pra querer.
Especialista, apago as pistas de quando estou zen.
Não reconheço meu endereço de homem de bem
Plácido, oculto, soturno.
Escuto certo vai e vêm.
Mas eu me calo.
Se não, me deparo com o que não convém.

Traço na chincha em mínima pinça rápida reação
Ao que eu não quero ver
Desembesto feito um garanhão
Este fenômeno
De fera autônoma ferozmente meu
Só me ocorre
Se me decorre que nasci com um breu

Nada nem ninguém ou todos...
Têm seu valor
Claro que alguém tem mais bens
Que o que nada tem

Seja... Como um veio, um aluvião,
Ágil... Como no mato um gato ladrão
Venha... Traga nos atos um ser coração
Viva! Para pensar alto sua opinião
Nunca! Jamais desista do seu quinhão.
Mesmo que em sua mesa já tenha um bilhão...

De idéias... De coisas...
De artes... De amores...
De dores... De gozos...

De pedras...
Demais?
Nunca será!
Edbar
Enviado por Edbar em 13/11/2006
Reeditado em 13/11/2006
Código do texto: T290029
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edbar www.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edbar
Recife - Pernambuco - Brasil, 65 anos
2870 textos (82773 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:37)
Edbar