Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dois mil novecentos e sessenta-e-poemas jogados no lixo

   E na noite que não era muito escura, estava o “que ninguém nunca via” – como a ele chamavam os vizinhos, sem, claro, o conhecimento dele – curvado sobre uma mesa abarrotada cuja cor nem se via, pois, de papel estava blindada. Daqueles pedacinhos de folha de livros e agendas; costumava escrever em qualquer lugar a sua inspiração repentina, para, chegado em casa, juntar num de seus poemas. Muitas destas anotações viravam lixo, outras viravam poemas, outras eram curtas demais para virarem poemas, então estas, ele tentava encaixar num dos poemas. Repetia várias vezes o mesmo verso para ver sua sonoridade e significância, por vezes não conseguia as perceber, estes versos eram os que iam para o lixo.
Andrié Silva
Enviado por Andrié Silva em 18/11/2006
Código do texto: T294484

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Andrié Keller ( baadermeinhofblues@hotmail.com ) Brasil - http://www.recantodasletras.com.br/autores/andrie). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Andrié Silva
Salvador - Bahia - Brasil, 27 anos
912 textos (98437 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:39)
Andrié Silva