Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
" A MINERA I U DELEGADU"

         Zabézona , era a véa mais préfumada du Dizimbóqui i sentada nu banquim difrenti du barracu i garrada na cunversada cuas muiérada , viu quandu Zé Ratu sai du Leitoa ,cum bujãu di gaiz na cacunda. Cuas mãu na boca sussurrou:
-- Ói geeenti, quem vai lá sô, todo apressadu?
Aí foici sô marginaçãu mardosa , pois Zé Ratu, era um mãu lévi dus córnus.
U Leitoa, num tava im casa , i quandu chegô , u pau cumeu. Passô a mãu nu xuxu qui tava adistrais da porta i saiu imbestiadu, bufãnu, chinganu i dizenu qui matava um. Num demorô muichu a puliça mandô a timaçãu, dizenu quéra prá Zabézona i lá nu delegadu. Ela qui di besta num tinha nada i ,besta era quem pensava quéla era besta, précavida tratô di primeru priguntá prais muié qui tava nas cunversadas ,sélas tinha arricibidu a timaçãu tumem, (sélas falassi qui tinha arricibido ,ela si carmava i num ia suzinha nu delegadu). Ais muié tiranu us délas fora ,dissi qui num tinha arricibidu nadica , mais cuma muié num siscondi segredi,chegô nus zuvidus dus vizins, qui ninhumazinha délas sinô nada i falô prus zõmis qui veiu siscrafunchá ,qui quem era mais iscraricida pra módis cuidá da vida dus zotrus, era Zabézona , qui tinha vistu “genti” sainu du Leitoa. Treis dia anti di i nu delegadu, ela já num prégava us zói , num cumia i num lambia nada di tantu medu di ficá presa, pruque ela nunca tinha vistu puliça di zói a zói. Chamô us fii déla i dissi prelis:
--Ceis inrraciucina : seu dissé pru dotori qui vi u Zé Ratu sainu du Leitoa, fica mar prá mim, pruque cunheçu essi trem ruim de mijá nu cóli ; seu dissé pru puliça queu num vi nada, ais boca larga já falô pru iscrafunchadô queu vi u tali. Sua mãi vai ficá lá, u dotô mandô mi chamá, dessa boca véa só sai bestera ,que queu vô mispricá?
Mi sarva meu Sãu Biniditu! Santa Abadia! vem judá, essa póbri véa coitada, qui mar i muitchu mar sabi falá! Mais cuma muié du bem,u distinu mi chamarô ,lá tô, prá dizê sei lá u que? mais mi chamarô, intonci eu vô.
A preta véa cuada feita onça nu matu, si rumô ,sintabusô , marrô u pimenta du reinu, carçô a chinéla ,vistiu a saia vremeia rendada, pois a brusa preta, corlocô u leiti di colonia nu subacu ,passô a mãu num pedaçu di queju cu maridu tinha trazidu ,i mastiganu pisanu duru, desceu ladera abaxu. Cheganu nu tar distripu ,foi logu falanu pru primeru qui viu na porta, sem sabê quem era:
--Pois fali seu dotori, tô pra li ovi, a vregonha mi covarda, mais sem falá num vô sai.
U porteru riu, mandô a véa entrá, sentá i chamô u delegadu.
U delegadu cumeu a véa di baxu pra riba ,... i começo a preguntaçãu:
--U nomi da sóra?
--Uai ,meu apilidi é Zabézona ,uai, meu fi é qui sabi meu nomi.
--Ondé casora mora?na ficha tem qui constá .
--Moru aí prá riba ,mais cuéssa bestajada cu ceis tá mi inlocanu na cabeça, sei nãu, mais é aculá pru ladu da Boca Larga.
--Cuma si chama seu pai?
--Deus ! é prá mórdi u quê? morreu tá sucegadim, que qui tem qui cu ceis vê?
--I mãi a sora tem?
--Si foici tumem seu dotori, mais prá falá da minha véa, eu mi contu inté treis.
-- I o nomi du seu maridu?
--Ah! Dotori ,prá qui sor qué marcá u nomi du véi qui num presta mais?
--Qui documenti a sora tem?
-- Eu tinha uns papéli , mais a cabrita du Caoi cumeu.
--Vamus nu qui sinteressa:
--Sora viu u tar “bujãu”?
--Su ceis qué puliça num sabi, seu dotori, eu qui devu sabê du tar ladrau? disgranhetu cu ceis dis qui roba, eu qui tenhu qui vê? I priguntá préssa véa coitada qui num sabi nem contá nem lê?
U delegadu mandô a preta véa sumi:
--Essa véa fala, fala, fala,i num fala, sô.
--Inté logui seu dotori , minha cuzinha vô rumá, meu véi chega taradu cum fomi,i prêli cumida ceis num vai dá. Num vortu mais qui, Santa Abadia vai mi socorrê, cadea foi feita pra Ratu, i boca prá mordi cumê. Uai! Que queu falei memu?


Roosevelt Luiz de Souza Souza
Enviado por Roosevelt Luiz de Souza Souza em 22/11/2006
Reeditado em 14/01/2007
Código do texto: T298606

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roosevelt Luiz de Souza Souza
Osasco - São Paulo - Brasil
58 textos (4474 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:50)