Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HOMEM SAPIEN - (S.A.P.I.E.N – Só As Pessoas Inteligentes Entendem Nós)

O homem nasce Objeto
Quando sem sequer baixar decreto
Torna-se escravizado por uma mulher
O homem cresce Objeto
Ainda quando em posição de feto
Fica a dever aos seletos
Favores de um simples ninar, soluços e tapas pra regurgitar
O homem vive Objeto
Quando num tempo que nem se sabe ao certo
O homem se sente invadido, explorado, descoberto,
revelado encontrado e deserto por dentro
O homem se sente objeto
Quando as narinas já não refina o ar que inspira
Tudo se aglutina entre os lábios e as lágrimas salinas
Observa-se a alma vagando como ave de rapina
O chão se perde entre passos desajustados que é rotina
É o sangue com validade vencida pela a hemoglobina
O homem envelhece objeto
Quando a mulher que ele ama já não lhe vê na cama
Quando um segundo sem beijá-la tornam-se semanas
E os pensamentos que você carrega por essa mulher
são encargos concebidos
pelos fardos de problemas que levastes de quem ama
O homem adormece objeto
Quando nada que fizeste
na lembrança dela não passa de cacarecos
Retratos amarelados pelos olhos lacrimejados do tempo
Os beijos levados a se perder
Pelas estradas rachadas de um lábio
Que se parte pelo beijo refinado de um vento
Um rosto enrugado, bestificado por se dedicar
a quem jamais lhe viu com afeto
Fora um homem que despertou desejo
Mas que por um momento de silêncio
dormiste monogâmico
E acordaste o mais moderno dos objetos
O homem morre objeto
Quando a imunidade invade a cidade
em que vive o homem deste homem
A gula e a servidão o leva a escravidão
de servir a quem tem fome
Perde-se a identidade
A localidade de sua própria cidade some
Cega-se a visão da vista e tudo que se avista
está longe do alcance
Vai-se o reflexo, ele se encontra correndo a toda velocidade
para alcançar o perto
E ás vezes em dois passos chega-se ao precipício do deserto
E amanhã dirão: lá se foi um grande homem
Amou como pouco, viveu como muitos, sofreu como todos
Hoje sem sombra, sem sorriso, sem aspecto
Que homem para o mundo,
Mas para ela somente uma lágrima revela seu choro indiscreto
Pois a dúvida lhe corrói a mente
Onde encontrar mais um belo exemplar
Daquele homem objeto.
 (Mauricio Ife)
Contato: maumau_cezar@hotmail.com


MAURICIO IFE
Enviado por MAURICIO IFE em 11/08/2011
Reeditado em 11/08/2011
Código do texto: T3152893
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de mauricio ife). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
MAURICIO IFE
Curitiba - Paraná - Brasil
692 textos (25806 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 04:54)
MAURICIO IFE