Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

cata pobre


Era noite, estava parado.
Sozinho, em um ponto de ônibus.
Derrepente, uma voz a meu lado.
Chamou-me atenção
Olhei para o lado, um cara esquisito.
Vestido de branco, eu tremi de medo.
Meio fanha, perguntou pra mim.
O cara, que hora passa o banzo.
Tremendo de medo lhe perguntei
Que negocio é esse de banzo
Se eu não sei, nem mesmo o que é.
Ele olhou para mim, e respondeu.
Banzo, e o banzo meu, o cata pobre.
Aquele que carrega gente que nem tu
Que não tem dinheiro para o táxi.
E ainda ficas ai mangando de mim.
Achando-me com cara de trouxa.
Eu pensei com meus botões,
Que confusão é essa que me meti.
O cara olhava pra mim, e sorria.
Um sorriso amarelo
Até parecia, que tinha comido aquilo.
Tirou do bolso, um toco de charuto.
Encaixou num canto da boca
Acendeu, deu uma longa baforada.
Sorriu para mim e disse,
Oferecendo-me o charuto, que horror.
Pega ai cara, tira uma lasquinha.
Não consegui dizer nada, o ônibus chegou.
Subi correndo, sentei bem na frente.
Feliz da vida pensei, estou livre do chato.
Engano meu lá estava ele, sentando a meu lado.
Não agüentei, pedi licença, me levantei.
Desci do ônibus, olhei para traz.
Dei graças a Deus, ele não havia descido.
Senti-me cansado, mas fui embora a pé.
 

                                  Volnei R. Braga
Volnei Rijo Braga
Enviado por Volnei Rijo Braga em 08/07/2005
Código do texto: T32142
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Volnei Rijo Braga
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 69 anos
2314 textos (147458 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:09)
Volnei Rijo Braga