Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fantasmas Urbanos

Na vida diária do povo comum
não fico surpreso com ato nenhum.

Na praça acontece prostíbulo de gente,
de gente que mente,
de gente que sente.

Loucuras a mil entre homens e mulheres,
mulheres à toa
mulheres perdidas,
mulheres sofridas.

Que lutam na noite,
na noite não dormem,
na noite elas comem,
na noite elas somem.

E quando aparecem, talvez mais cansadas,
talvez arrasadas,
talvez desgraçadas.

Se perdem no mundo,
no mundo de nós,
o nosso mundo.

E quando encontradas, já são cobiçadas,
já são arrastadas,
pro meio da noite.

Na praça, na rua,
não importa a altura.

Convivem com loucos,
com loucos modestos,
com loucos honestos,
com loucos corretos.

Pessoas que passam marcando presença
na praça da vida,
encontram feridas,
são elas comuns,
a todos que estão, presentes na praça


No edifício ao lado.
Figurões sociais, consomem o normal
o normal do homem,
o normal do animal.

São gente pacata,
que comem com as mãos,
com as mãos calejadas,
com as mãos mal tratadas,
com as mãos mal lavadas.

Sujeira total.

Os homens de preto,
que tem o seu teto,
consomem com tudo que há por ali.
Gozando da vida,
da vida sofrida,
da vida querida,
da vida ferida.

De gente que sente
e chora comigo,
ao ver essa gente.
Bruxo Yahoo
Enviado por Bruxo Yahoo em 15/07/2005
Código do texto: T34510

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bruxo Yahoo
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 55 anos
130 textos (5549 leituras)
1 áudios (52 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:09)
Bruxo Yahoo