Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESGUIA-ME, POETA !

Desguia-me das tardes de meus sonhos,
e também de minhas noites sem luz.
Dos momentos em  que eu estive só.
Desguia-me das tormentas e trovões

Desguia-me dos  outonos de mulher
aquela mulher, passado errante de mim.
Passa ao largo e me toma pela  mão,
levando-me ao outro lado da margem

Desvia-me também ao teu insano olhar
afugentando o frio das manhãs sem sol
do meu diário fúnebre, e total "sem vida"
diário tão cinzento dos meus pés no chão

Desvia-me prá longe do meu certeiro norte
que é sempre tão centrado, tão lógico,
eu não quero as tuas rimas do soneto rico
desejo as vãs palavras em teu imediato

Desguia-me ao teu mundo de poeta errante
e me reconforta com teu beijo certo, quente
em nossas tardes em amores eloqüentes
e nas manhãs de inverno de amores ausentes

Desguia-me de novo para que eu possa
aplacar de vez minha amargura, em posse
desta tua boca de poeta, em que posso
derramar meu mel nas noites de passagem




Nota: é prá você viu ? agradecendo aos versos de voar,
e dizendo sempre: Pode, enfim, me desguiar... é tudo o que eu quero !
Lili Maia
Enviado por Lili Maia em 20/07/2005
Reeditado em 22/07/2005
Código do texto: T36250

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lili Maia
Curitiba - Paraná - Brasil
484 textos (66694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:20)
Lili Maia