Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ALUCINADA ESCRITA DOS QUE AMAM

Desvirgino o verso como quem sabe
dos segredos: Pátria é esta mulher
em que mora a inocência.
O que sabemos de Ti se estamos de olhos
roxos, criando vultos de ausências.
Nós, aqueles de insólit(a)rota,
os que ainda fiam-se na esquina próxima,
cansados de (ex)pulsar demônios
em seus rotos vestidos de anjos.
Na permanente canção do tempo
nem o temor das perdas.

Pátria é a trincheira dos encontros.

É o fanal doido, inscrevendo a ironia,
sardônicos arabescos por onde passa.
Empolgado de luas, chora o violão.
Dentro de nós, os videntes do Nada,
o espírito cochicha o luminoso facho,
olhos fitos no conto-esperança.
Cantemos na voz dos cristais,
espargindo sombras: esmeraldas toscas,
auriverdes do nada.

A liberdade se autodesenha:
alegre dama da noite, nos cubículos, nas favelas.
Oxi(gênios) fogem do rio escuro.
No cais maduro, apenas peixes luminosos.

Pátria é o aquário em que se aprende a nadar.

Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 63.
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/40630
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 05/08/2005
Reeditado em 04/05/2008
Código do texto: T40630
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709723 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 06:02)
Joaquim Moncks