Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REGRESSO

(para Carlos Nejar)

A morte vinha em comboio nos celeiros de trigo.
Em comboio vinha nas mãos de meu povo.
A morte vinha em comboio no vinho,
vinha, que adoça a boca,
e amaina o tempo do regresso.

A morte vinha em comboio
solidão de aboio, sangrando solidão.

A morte vinha nos vagões da despedida.
A morte vinha em comboio sobre mim,
sobre os trilhos e na estrada sorria.

A morte veio em comboio, em comboio sorriu:
triste sorriso o da manhã
que nasce no rosto do espelho.

A morte veio na mão do mendigo, na côdea de pão.
A morte veio em comboio, e cobriu os que lutaram.

A morte veio em comboio nos vagões da despedida
do amor entre os homens, na face da solidão da vida.

– Do livro O SÓTÃO DO MISTÉRIO. Porto Alegre: Sul-Americana, 1992, p. 111:2.
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/42269
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 13/08/2005
Reeditado em 01/03/2008
Código do texto: T42269
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709789 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 15:14)
Joaquim Moncks