Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Retirante sonhador (2) - Chagas na cidade

Amanhece a serrania,
O céu escuro ganha uma cor;
O andante, novamente à companhia
Do seu olhar, que à noite se apagou.

O brilho longe vê
De vida humana que lhe carece:
Porto seguro que pode ser,
Ou esgoto o mundo que ele tece.

Uma cidade com céu sombrio
E escuro o piso em que se assenta,
O vento farpado de frio,
O tremor da fome que se apresenta.

Rosto flatulante de nojeira
Dos restos pobres que se alimenta,
Ou pálido da cegueira
Da comida que lhe ausenta.

Mazelado, percorre as ruas
Sem no amanhã acreditar;
Suas dores o seguem nuas,
O flagelo a o anunciar.

Só os trapos o revestem
E o distinguem da natureza,
Mas incapazes, não o protegem
Do olhar-lhe lançado de incerteza.

É desprezado em sue teor
E nem sequer mais o recordam;
Para a história não tem valor,
Aos homens, feridas que se morgam.

O teto de sua morada
É a noite sem estrela;
E sua cama privada,
Só a lembrança vem trazê-la.

Pois é o barro que lhe cobre
Enquanto inspira à madrugada:
A amônia, que se descobre:
Lhe deixa a alma envenenada.

Já passa da madrugada
E o silêncio é perturbado,
Sirenes em revoada,
Enterram outro triste condenado.

Morte, talvez seu crime
No suburbano já tão comum
Pelo medo que o reprime,
O deixa assim, sem sono algum.

Se não amanhece com a aurora
Se a dor lhe quita em tarde noite,
O desespero toma-lhe a hora
E, perdido, as sombras mostram seu açoite.

As figuras noturnas o apavoram,
Não lendas nem conhecidas,
São sofrimentos que devoram,
Carne e alma oferecidas.

Sua relutância em ser desperto
Se esvai logo ante um desmaio;
A dor é um leito aberto
A chamá-lo agora, numa nascente de maio.

Quando desperta, já é claro,
A cidade se levantou,
Em névoas, o cenário
Que faz horas o silenciou.

Seu sono já longe voa:
Reprincipia sua sina,
O tempo ido não mais ecoa,
O mundo jaz além de uma esquina.

Cruza um vasto bosque verde
Frutosa a altura em seu domínio,
A paisagem que à mente aplaca a sede
Presa entre a modernidade de espinhos.

A sombra do afresco dos pomares
É ora áurea pelas vidraças refletidas;
E o som nas ronronosas gares
Soa chegadas e despedidas.

Sente a campana como um sinal
De que precisa ir embora;
Uma terra o chama ao final
De um olhar perdido à hora.

Novamente, o chão trovoa
Ante uma passada mais firmina;
Ao sonhador, o repovoa:
O jugo de sua vida severina.
Vitor Barros
Enviado por Vitor Barros em 14/08/2005
Código do texto: T42585
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vitor Barros
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 29 anos
26 textos (1396 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 03:05)
Vitor Barros