Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhos

Minha luz tem a cor do ar, meu perfume se iguala a água
Um olho meu só vê as alegrias, o outro só vê as mágoas
Vejo a vida como ela é, como ela foi, e como ela vai ser
Vejo a morte e além, vejo a escuridão e vejo sem ver
Veja a pedra, entenda-a e a considere neste mundo
Verá que isso foi um absurdo, palavras de um vagabundo
Os fins justificam os meios, mas necessário é um começo
Então para ti meus olhos abertamente ofereço
Para que você veja o começo e o entenda como o fim
Pois já no inicio vê-se que o fim é o mesmo pra ti e pra mim
Sabe bem o que digo, palavras escritas deste poeta
Trariam mais convicção se fossem escritas por um profeta
Olhe, veja e sinta, considere o começo e entenda o fim
Já que isso é a vida que foi dada ao acaso, assim
Não há propósito nesta vida, nem na morte
Viva sim, entregue-se a sua própria sorte.
Considerando o começo e o fim para viver o meio
O homem nasce, cresce e morre, já nisso viveu por inteiro.
BOI (Luciano Alencar)
Enviado por BOI (Luciano Alencar) em 09/09/2005
Reeditado em 01/04/2006
Código do texto: T49131
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original).
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BOI (Luciano Alencar)
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 29 anos
246 textos (25430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:08)
BOI (Luciano Alencar)