Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tanta ternura perdida...


POEMA PARIDO

Nadir Silveira Dias

De quando em vez,
me apanho de novo
com aquele suspirar,
com aquela dor no peito,
naquele incompreender
profundo
das coisas do mundo
que faz a gente infeliz...

Há tanto nada
gerando quase tudo.
Há tanto tudo
quase sempre cheio de nada.
Tanto ser querendo ter
sem ter sequer
a vontade de ser...

Há tanto interesse vil,
tanto sentido invertido,
tanta falta de senso bom,
tanto desamor gestado,
tanta maldade à espreita,
tanta ternura perdida...

E o sol nasce todos os dias
Em todos os momentos a vida flui
O lírio nasceu e nascerá ...

E há tanta espera dos
doentes na fila dos remédios
sob escaldantes
trinta e cinco graus...

E esta ânsia louca de
achar um jeito de reagir...

Nadir Silveira Dias
Enviado por Nadir Silveira Dias em 29/09/2005
Reeditado em 06/11/2005
Código do texto: T54713
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nadir Silveira Dias
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
1036 textos (153743 leituras)
4 e-livros (380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:33)
Nadir Silveira Dias