Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Fascismo Não Vingará

Era como se a aurora tardasse
Era como se faltasse o dia
E era como se ao homem não bastasse
A luz da luz do dia.

E era então como se estivésseis
Tão cegos que morrer
Era como se pedísseis
À prece o bem querer.

E era ainda como se perdidos
Buscassem da raiz o nome
Apelando aos sentidos
Como quando se tem fome.

E era assim como sozinhos
E era ainda a esperança
Palmilhando caminhos
De uma antiga herança.

E era choro e era grito
Senho, sangue e suor
Quase como se fora um rito
De uma alma maior.

Rito sem fundamentalismo
Vontade como um sorriso
E era assim o capitalismo
Uma coisa sem siso.

E o homem não vergava
Fazendo da labuta seu dia
Tudo quanto lhe custava
Viver com alegria.

E éramos uma só alma
E éramos um só querer
Erga-se pois a palma
No horizonte a se perder.

Jorge Humberto
04/10/2005






 


Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 05/10/2005
Código do texto: T56776
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 50 anos
2622 textos (66676 leituras)
22 áudios (937 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:54)
Jorge Humberto