Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Saudades da Amélia

Ai, que saudades da Amélia!
Obediente, submissa e calada
Bem cantava o poeta feliz
Amélia, que era mulher de verdade
Nunca sequer me contrariava
Perdoava todos os meus deslizes
O mais longe que se aventurava
Era no portão de casa

Ai, que saudades da Amélia!
Dela não tinha medo algum
Meu grito era o mais forte
Meu braço, o mais potente
Meus argumentos, únicos e invencíveis

Ai, que saudades da Amélia!
Tenho medo da Katrina
A Rita me apavora
Faz-me correr, fugir, ir embora
Lili me desespera
Paloma tira-me o sono
Nana é avassaladora
Josephine é preocupante
Sandy é vingativa

Quero esquecer as Marias
Fátimas, Cristinas e Irenes
Nenhuma delas é como a doce Amélia
Que era mulher de verdade
Volta Amélia, volta
De caçador, passei a ser caça
Hoje sou o homem mais fiel
Reconheço que és mulher de verdade
Juraci Rocha
Enviado por Juraci Rocha em 06/10/2005
Código do texto: T57430

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Juraci Rocha Silva). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Juraci Rocha
São Paulo - São Paulo - Brasil
342 textos (131989 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:26)
Juraci Rocha