Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema concreto


Ergue-se lentamente
um esqueleto de ferragens
e altera a paisagem...
E a cidade cresce!

A brita – pedra miúda – denuncia
a escravidão infantil que quebra pedras
e fragmenta os sonhos de meninos e meninas
que não vão à escola – inocentes,
mas que quebram pedras
como antigos condenados...

A areia recolhida
em rios pestilentos por barqueiros,
gondoleiros dos sonhos já perdidos
no fundo do rio...

E agregando a mistura
o cimento...
Padecimento...
Mãos feridas e inchadas de operários
manuseando enxadas
e adicionando água...
As mágoas ignorando
enquanto eles próprios agregam-se à massa;
é a massa agregada – é povo
equilibrando-se em andaimes com os seus baldes,
debalde o tempo passa
e a cidade cresce
e cobre o esqueleto das ferragens...
A bela paisagem nos indulta e inculpa...
Não é “mea culpa”,
é o progresso!
Poeteiro
Enviado por Poeteiro em 11/10/2005
Código do texto: T58609
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poeteiro
Santos Dumont - Minas Gerais - Brasil
440 textos (10789 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 14:38)
Poeteiro