Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Extremo

O que há de ser de nós
pobres mortais infecundos?
Onde os ensinamentos não brotam,
onde o amor aos poucos perece,
onde até a dor que marca tanto,
um dia esmaece.

O que será de mim?
Eu que já sei o meu fim,
e enfim tenho que aceitá-lo.
Ser debaixo da terra
comida para vermes.

Espero que saboreiem meus sentimentos,
que se deliciem com meus pensamentos.
Será que sentirão os prazeres que senti?
Ouvirão meu riso das alegrias?
Sentirão então a dor de tantas tristezas que tive.

Se assim for,
os alimentarei até a obesidade,
pois sinto intensamente todos os momentos.
Cada riso...brotou da alma,
cada lágrima...me cortava o peito,
e nos momentos de dúvida,
sempre me isolei e pensei
se a dúvida realmente existia.

Crer em Deus e em sua criação
foi o meu juízo.
Perceber as perfeições das flores,
a animosidade dos bichos...
me perdia no vôo dos pássaros...


Assim pensando,
posso dizer que serei imortal.
Os vermes que um dia
me comerão as entranhas,
por certo se tornarão gente.
Não saberão mais viver
sem as sensações que saborearam.

Posso até visualizar,
uns sorrindo sem parar,
outros apáticos tentando decifrar,
um sozinho, triste sem saber porque...
outro que captou todas as sensações,
a um canto louco a escrever...
Bia Naue
Enviado por Bia Naue em 18/10/2005
Código do texto: T60962
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Bia Naue
Goiânia - Goiás - Brasil, 49 anos
20 textos (896 leituras)
6 áudios (783 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:00)
Bia Naue