Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MONÓLOGO DO INTERIOR

falo por ti, objeto de mim,
induzo em nós os projetos desse elo,
procuro respostas no teu livro fechado,
esperança no mar morto do teu desejo,
loucura na igreja do diabo.

falo por ti, objeto de mim,
do ventre sombrio que procuras na noite,
sem teu fruto verde que geraste na inocência,
com maldades e risadas do pavor,
mil saudades na saudade da infância.

julga-me, açoita-me até os pulsos sangrarem,
condena-me pelo abandono da alfazema prateada!
sabes que não vivo por mim ou por ti,
e que brota um espelho nascido do meu nada.

falo por mim... agora... no momento de ser não ser tu,
que controlo teus anseios no desvario da insanidade,
tentando ver as diferenças sob um ângulo obtuso,
silenciando turbulências que pularam minha idade,
deixando-me à deriva no caos violento e confuso.

mas, falando por mim e por ti,
agradecemos por estarmos aqui,
dialogando nesta jornada solitária,
como bons amigos destinados ao silêncio,
presos às nossas regras e limites,
sedentos por mais imperfeição.
Celso Godoi Neto
Enviado por Celso Godoi Neto em 24/08/2007
Código do texto: T621428

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Celso Godoi Neto). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Celso Godoi Neto
Porto União - Santa Catarina - Brasil
76 textos (3421 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 15:59)
Celso Godoi Neto