Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E O TEMPO VOOU...







                                                           Nada pode deter o tempo
                                                            Que corre veloz e sereno
                                                   Sem importar-se com o mistério
                                               que se abriga em cada ser humano.
                                                            Não perdoa a dor do tolo
                                                      Não aceita a queixa do preso
                                                   Desconfia da alegria do vaidoso.
                                              Corre, porque ainda existe tesouros
                                                      Em corações despretenciosos.

                                                         Atroz, voa por entre povos
                                             Sequer se detém em quem se anima
                                        Para o bem propagar e ao mal renunciar.
                                                   Apenas avisa que não perdoará
                                                               Quem a ele desdenhar.

                                      Ah! Impiedoso instante que já não existe,
                                      Deixando apenas as marcas do que ficou.
                                        E assim voa indiferente e sempre ligeiro
                                    Como se nada existisse, nem mesmo a dor.

                         Malvado tempo sem intento, desconhece o perdão.
                                      Nada o pode reter, nem mesmo o Criador.
                                 Sem piedade dos envoltos em seus lamentos,
                             continua passando intolerante aos sentimentos.

                                 Nada, absolutamente nada, é tão impossível,
                                        Quanto deter o tempo e o pensamento.
                                       Tão rápido pensou, o tempo irrevogável
                                                         não notou... Despercebido,
                                       já vai longe o pensar que o tempo levou.












                                                   Texto revisado em 14/11/2009.


                                                       
Míriam Diniz
Enviado por Míriam Diniz em 09/03/2005
Reeditado em 14/11/2009
Código do texto: T6216
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Míriam Diniz
Garanhuns - Pernambuco - Brasil
814 textos (127749 leituras)
2 áudios (192 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/16 07:24)
Míriam Diniz