Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A SÍNDROME DE LÚCIFER


Essa palavra, que quer dizer mal e sintoma, seguida do nome do arquiniimigo das nossas almas,  significa o que está possuindo pessoas, que estão agindo segundo determinados modos e possuídas dos mesmos sentimentos de Lúcifer.

Qual seriam esses sentimentos ou sintomas? Vamos dizer, mostrando como ele agiu no passado e age inspirando aqueles que estão no poder dele, e como as Escrituras nos mandam ser.

No livro do profeta Ezequiel, está escrito: Tu eras o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura. Ez. 28:12.

Ser bonito não é um mal em si mesmo, já que isso não depende de quem é, mas de quem o fez. Assim o mal de Lúcifer não era ele ser formoso, já que ele, como todos os filhos de Deus, foram criados. O que dá para entender é que ele se ensoberbeceu por essa dádiva, veja:

Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura. Ez. 28:17.

Há hoje quem tenha sido aquinhoado com beleza e esteja possuído de um sentimento de envaidecimento, lhe fazendo superestimar a dádiva ou se considerar possuído dela, ainda que nem sempre a possua. Isso tem uma origem: ela é diabólica.

Lá em Ezequiel diz: corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor, versículo l7, segunda parte. E como foi isso? Adiante diz: Pela multidão das tuas iniquidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários, versículo 18, primeira e segunda parte.

Além da formosura e sabedoria de Lúcifer, havia outros predicados que lhe foram concedidos, e que eram: ser querubim da guarda, e se vestir de pedras preciosas, que haviam sido preparadas no dia em que ele fora criado. Também ele vivia no monte santo de Deus. O homem era mesmo importante.

Os homens, via de regra, supervalorizam duas coisas: beleza e sabedoria. E ambas têm servido de motivo de queda para eles.

Caso não haja um espírito humilde no formoso ou sábio, eles serão vítimas daquele que foi o primeiro que se corrompeu por isso.

Há um preconceito quase generalizado, de que o formoso é sábio. O que não é verdade. E o formoso sem sabedoria é como um rei tolo. Enquanto que o feio, mas sábio, é louvável.

Outra característica dessa síndrome é o sentimento de dominador. À semelhança de Lúcifer, os que estão ou são possuidores desse sentimento gostam de ser padrões, admirados, dominarem sobre os demais. E não medem esforços para alcançar suas pretensões.  Só que para isso fazem um comércio que, não raro, é tráfico de influências e jogadas para se colocarem na crista da onda. E o interessante é que esses possuídos se saem bem. Por quê? Por causa daquele que está operando neles.

Esses gostam de ostentar, são vaidosos, exigentes, egoístas, egocêntricos, impacientes, intransigentes, intolerantes; gostam de comprar fiado, emitem cheques sem fundos; se gabam do que têm e do que não têm, mas dizem que serão ou terão; prometem muito e cumprem pouco, quando cumprem; são lisonjeiros; nunca pedem por favor; gostam de conforto e do melhor, e chegam a sacrificar a barriga por isso; e adoram filar jantares em banquetes em que são penetras, ou para os quais se convidam ou penetram dando carteiradas.

São auto-suficientes e gostam de dar a impressão de saberem tudo, e nunca dizem que não sabem algo, mesmo que lhes perguntem. Respondem com evasivas ou desconversam, ou então dizem ao seu inquiridor: hum... esperando que ele diga a resposta, para em seguida dizer que isso sabia, ou então diz: diga lá... mas não suportam confessar que não sabem.

Correm atrás das pessoas por interesse, e se forem procuradas se fazem de difíceis e importantes; são gabolas, paroleiros, e hábeis em mentir, bem como usar de fraudes, embora não suportem contra si nem uma coisa nem outra; são dissimuladores, e facilmente se enlaçam. Para isso basta que vislumbrem uma chance de ganho fácil. São dados a pagar propinas para subornar ou não perder; gostam de usar o prestígio que dizem ter, conseguido com simpatias e amizades falsas, interesseiras. Se alguém os ridiculariza, mostram que são sórdidos e vingativos. São ingratos, sem amor e puxa-sacos daqueles que lhes interessa dar o golpe.

Donde lhes vêm toda essa pretensa sabedoria e esperteza maquiavélica. De Deus que não é e vamos mostrar porque.

Tiago diz: Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia. Tg. 3:17. Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre em mansidão de sabedoria, mediante condigno proceder, as suas obras. Se, pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade. Esta não é a sabedoria que desce lá do alto; antes, é terrena, animal e demoníaca. Tg. 3:13-15.

Temos informações de que os homens tidos como grandes na música e em todas as artes, eram cheios de esquisitices, temperamentais, egocêntricos e alguns sofriam de ataques de loucura. Então vemos que essa sabedoria não vem de Deus.

Com sabedoria terrena, animal e demoníaca, encontramos homens em todos os segmentos da sociedade. Estes dizem que conhecem a Deus, mas negam-no com as suas obras, sendo ímpios.
oliprest
Enviado por oliprest em 27/08/2007
Código do texto: T625815
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181831 leituras)
245 áudios (2546 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 08:34)
oliprest

Site do Escritor