Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

algum sol, algum sal.

o sal dessa lágrima
é amargo
e é parte da borrasca que
engoliu muitas cabeças

o sal dessa lágrima
veio de uma duna errante
sem deserto,
sem areia
só feita de devaneios e
desesperos

de dúvidas e apelos.

o sal dessa lágrima
arde nos olhos a visão
do que é real e ponteagudo
do que é ilusório e trôpego
e cai na imensa tristeza
infecta de alma

lava-me, digo para a lágrima
queima-me, o navio amarrado no cais
redimi-me de minha dor,
da cor das trevas
das incertezas certas
das servas libertárias
que arrastam grilhões
pelo corredor da história

o sal dessa lágrima
vem do mar,
vem dessa maresia intrínseca
a corroer tudo por dentro,
a percorrer metabolismo,
a corromper metafísica
a deslindar a lógica
recheada de dialética.

depois de verter essa lágrima
meu rosto não será meu
minha dor não será mais minha
transfigurada e liberta
terei outros olhos ainda úmidos
que procuram um foco ,
uma lente, qualquer imagem
e algum sol...

Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 28/08/2007
Código do texto: T628340
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gisele Leite
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1629 textos (3699139 leituras)
33 áudios (5053 audições)
25 e-livros (142749 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 16:08)
Gisele Leite

Site do Escritor