Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SCHATZI

 
  Tia Luisa, velha, muito velha para os seus cinqüenta anos de idade, era, a bem da verdade, uma grande ranzinza. Vivia numa casinha que beirava a ribanceira de um morro, morro este de propriedade da sua cunhada, Etel, herdada momentos antes da morte vir buscar seu irmão, Daniel. Ranzinza e famigerada como ela, só mesmo o seu ganso de estimação, Schatzi. Este, grasnava alto quando tia Luisa passava sem lhe dar um alô sequer. Ele, como um verdadeiro cão de guarda, a seguia morro acima e morro abaixo, sendo seu cúmplice aos pequenos furtos feitos no galinheiro, no bananal, no milharal e mais onde lhe conviesse. Agiam quando o sol, finalmente, ia se deitar. Etel sabia, Etel via.

— Luisa é uma coitada, deixa estar!...

  Com a desculpa de ir catar lenha para o fogão, lá iam os dois a passos miúdos. Ela, assobiando, ele, de asas abertas, rebolando-se todo. Após algum tempo, voltavam. Tia Luisa trazia não só com o que dizia ter ido buscar, como também, com um belo cacho de banana da prata entremeado nas folhas da bananeira. Tia Luisa não se contentava com nada, para ela, o pouco é pouco! E reclamava de tudo, xingava a todos.

  Numa manhã, Etel e eu descíamos o caminho em direção ao centro da cidade. Surpresa. Ouvimos, de perto, um assobio. Schatzi, vinha num vôo rasteiro. O alvo? As pernas de Etel, minha mãe. Mal pude acudi-la. Ouvi Luisa as gargalhadas e vi Schatzi com o bico vermelho, limpando-o nas penas.

— Teu pescoço, ganso fétido, será torcido. De amanhã não passas! – falei alto.

  Maquinei, noite adentro, uma morte selvagem. Dito e feito! Mal clareou o dia, chutei pedra morro acima, desensaquei milho morro abaixo. E, como sombra, ladeei árvores. Eu era só olhar. Lá pelas tantas, passaram. Foram e voltaram tempos depois. Ela, na direção da casa, ele, muito guloso, atrás da trilha do milho. Então, agarrei-o. Ele, assustado, se viu, em minhas mãos. Tentei, juro que tentei, torcer-lhe o duro pescoço. Qual nada!... A luta era desigual: – “Penas pra que te quero. Vais voar a cântaros!” – pensei rápido. Rodopiei-o várias vezes, e, com uma força descomunal, atirei-o longe. Achei que Schatzi não daria conta de voar, espatifar-se-ia numa das tantas árvores. Que nada!...  Ele bateu direto de encontro aos fios que levavam energia à minha casa. Meu sorriso morreu ali. Ficamos sem luz. O ganso? Por azar, não morreu, planou bonito, planou até chegar a sua dona. Desse dia em diante, o respeito entre nós, até sua morte, por velhice, seis anos depois, foi mútuo.

Patricia Essinger
Enviado por Patricia Essinger em 28/08/2007
Reeditado em 23/07/2009
Código do texto: T628397
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Patricia Essinger
Guaíba - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
436 textos (23563 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 11:59)
Patricia Essinger