Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
"A MALDIÇÃO DO POETA"

Era um dia feio, escuro, muito frio
Eu me lembro como se fosse agora
Era ainda jovem, forte, bem sadio
E você, coroa de não se jogar fora

Nós dois nos olhamos, nos piscamos
Recordo-me bem de ter-lhe sorrido
E por instantes nós dois namoramos
Até que me percebeu o seu marido

Sujeito insensível, grosseiro, idiota
Partiu pra cima de mim de porradas
Tão fortes que dei uma cambalhota
Tive fraturas expostas engessadas

O que ele me bateu não foi pouco não
Eu não reagi apenas por cavalheirismo
Ficou feio pra ele, que fez a agressão
E ainda por cima ria, cheio de cinismo

Agora o tempo passou e estou curado
Vivo na maciota, pois você me sustenta
Depois que largou o besta abrutalhado
Ele, de ciúmes, acho que não se agüenta

Quem mandou ser estúpido e invocado?
Quem mandou bater num nobre poeta?
É o mesmo que um espelho ter quebrado:
Terá sete anos de azar o pobre pateta!!
Fernando Brandi
Enviado por Fernando Brandi em 30/08/2007
Reeditado em 30/08/2007
Código do texto: T631192

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Brandi
São Paulo - São Paulo - Brasil, 70 anos
1392 textos (191015 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 17:32)
Fernando Brandi