Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vou-me embora!

Vou-me embora!
Não sei para onde, mas vou-me embora.
Não quero mais esperar o bonde.
Não sei mais olhar para onde.
Não mais enxergo ao longe, donde.
Nada me sacia, nada me dá graça.
Não tenho mais aquela alegria.
Aquela das brincadeiras na praça.
As horas passam, o tempo escassa.
Só se vê desgraça, trapaça, arruaça...
Tudo mais é nada: artificial, superficial, fútil...
Continuar parece inútil.
Até os amigos se escondem individuais.
Não mais compartilham com seus iguais.
Não mais aportam antigos cais,
Nem se recordam tempos atrás.
Tudo se vai, tudo se apaga.
A rosa murcha, some o perfume.
A noite desce, o sol jaz.
É, vou-me embora.
Aqui não dá mais.
Nem amor eu sinto mais.
A paixão ficou para trás.
Não sei se volto não sei de onde.
Não sei se mereço tratamento de conde.
Sou puro na alma.
Cheio de veneno no corpo.
Vou-me embora buscar
Dessa doença me curar.
FÁBIO BARBOSA
Enviado por FÁBIO BARBOSA em 25/10/2005
Código do texto: T63679

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FÁBIO BARBOSA
Olinda - Pernambuco - Brasil, 37 anos
120 textos (7815 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:27)
FÁBIO BARBOSA