Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ALENTEJANO

Na planície semidesértica e quente
Onde a dureza é pão de cada dia,
Quanta angústia se expressa e sente
Nos tristes cantes cheios de melodia.

Na alma carrega impressa desventura
Que o persegue, negando-lhe o pão,
Nas entranhas abafa sonhos de ventura
De mágoas cheios e grande desilusão.

O sol aquece na charneca despida,
Torrando a terra e tisnando o rosto,
A razão verga-se ao peso da vida
Na ceifa diária dum pão sem gosto.

Vitrais multicolores brilham no suor
Do rosto tisnado pela acalorada estival,
Mil brilhos reflectem o esforço e a dor
Do amargo desespero dum mundo fatal.

Garganta seca e olhos lacrimejantes
Rega a terra de ardentes fornalhas
Vergado pela fadiga e suores abundantes,
Sonhando fartura, vencendo batalhas.

As palhas ceifa do trigo alourado,
Enchendo de fardos o calcinado chão,
A charneca fica com tom amarelado,
Despida do trigo e envolta em solidão.

O alentejano sonha fugir à melancolia
E esquecer as agruras e os dissabores,
Luta com desespero, combate a agonia
Na esperança futura de dias melhores.

Exausto e alquebrado pela dura labuta
Olha com saudade a planície imensa
O homem que não verga e persiste na luta
De desbravar a charneca agreste e extensa.
José Rafael
Enviado por José Rafael em 26/10/2005
Código do texto: T63853
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Rafael
Portugal
39 textos (1815 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 16:44)
José Rafael