Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

panos encardidos

quando diante de um Zé Loureiro
de um Saramago
de um Dostoiévsky, de um Jorge Amado
de um Tolstói,
estamos despidos
choramos, coramos
nos damos conta de que somos
bons, honrados, maiores...

mas quando colocamos a roupa
e vamos pra escola
a calça comprida pra ir ao trabalho
a malha pra academia
quando esperamos com raiva
na fila do banco
quando aguardamos a hora
de falar o nosso poema
com toda aquela excitação
sabendo que não
há ninguém pra escutar
aí é que então
parecemos brilhar
e vemos quem somos
ou que somos menores
até mesmo mesquinhos
ricos de insensatez
como podem ter sido
diversos autores
vencedores talvez


Rio, 28/02/2007
Aluizio Rezende
Enviado por Aluizio Rezende em 04/09/2007
Código do texto: T638890

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aluizio Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
6776 textos (146869 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 00:16)