Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOBRENOME: TRABALHO

Há um provérbio corrente entre os filhos dos homens, que diz: “Quem trabalha Deus ajuda”. Assim, se exercitam no trabalho, se alegram no trabalho e vivem pro trabalho. E achando que fazem grande coisa com isso, chegam à vaidade de propor que seja um sobrenome herdado, mudado de Barbalho para “trabalho”, sugerindo, assim, ser uma pessoa progressista, e que por isso deva ser preferida por outros, para liderá-los como dominador (governo ou político). Donde provem esse conceito? Da sabedoria, ou da vaidade?

As Sagradas Escrituras nos podem responder essas questões com muita certeza e apropriadamente. Diz ela, de Salomão, o grande sábio:

"Fiz para mim obras magníficas; edifiquei para mim casas; plantei para mim vinhas. Fiz para mim hortas e jardins, e plantei neles árvores de toda a espécie de fruto. Fiz para mim tanques de águas, para regar com eles o bosque em que reverdeciam as árvores. Adquiri servos e servas, e tive servos nascidos em casa; também tive grandes possessões de gados e ovelhas, mais do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém. E fui engrandecido, e aumentei mais do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém; perseverou também comigo a minha sabedoria. E tudo quanto desejaram os meus olhos não lhes neguei, nem privei o meu coração de alegria alguma; mas o meu coração se alegrou por todo o meu trabalho, e esta foi a minha porção de todo o meu trabalho. E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito, e que proveito nenhum havia debaixo do sol." Ec. 2:4-11.

E já que a recompensa do grande sábio foi ter tido prazer e alegria na obra que fez, ele chegou então a uma triste conclusão, veja:

"Por isso odiei esta vida, porque a obra que se faz debaixo do sol me era penosa; sim, tudo é vaidade e aflição de espírito. Também eu odiei todo o meu trabalho, que realizei debaixo do sol, visto que eu havia de deixá-lo ao homem que viesse depois de mim. E quem sabe se será sábio ou tolo? Todavia, se assenhoreará de todo o meu trabalho que realizei e em que me houve sabiamente debaixo do sol; também isto é vaidade." Ec. 2:17-19.

Como aquele grande sábio estava sendo usado pelo criador para viver a experiência, e dela concluir uma lição de vida para deixar à posteridade, então ele ficou aflito, veja:

"Então eu me volvi e entreguei o meu coração ao desespero no tocante ao trabalho, o qual realizei debaixo do sol. Porque há homem cujo trabalho é feito com sabedoria, conhecimento, e destreza; contudo deixará o seu trabalho como porção de quem nele não trabalhou; também isto é vaidade e grande mal. Porque, que mais tem o homem de todo o seu trabalho, e da aflição do seu coração, em que ele anda trabalhando debaixo do sol? Porque todos os seus dias são dores, e a sua ocupação é aflição; até de noite não descansa o seu coração; também isto é vaidade." Ec. 2:20-23.

E o grande sábio observou ainda que:

". . .não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?" Ec. 3:22.

"Também vi eu que todo o trabalho, e toda a destreza em obras, traz ao homem a inveja do seu próximo. Também isto é vaidade e aflição de espírito." Ec. 4:4.

"Há um que é só, e não tem ninguém, nem tampouco filho nem irmão; e contudo não cessa do seu trabalho, e também seus olhos não se satisfazem com riqueza; nem diz: Para quem trabalho eu, privando a minha alma do bem? Também isto é vaidade e enfadonha ocupação." Ec. 4:8.

Apesar dessas sábias revelações deixadas por Deus para os homens, estes buscam adquirir fama e fortuna pelo trabalho, ignorando que tudo é vaidade e aflição de espírito, e que:

"Vem de Deus que os povos se cansem para o fogo." Hq. 2:13.

Nas suas vãs maneiras de pensar, dizem que: “Quem madruga, Deus ajuda”, referindo-se a madrugar para o trabalho. Mas diz uma escritura:

"Inútil vos é levantar cedo, granjear o pão que penosamente granjeastes. . ." Sl. 127:2.

Mas há quem busque fundamento numa escritura onde o apóstolo Paulo diz: "Trabalhamos noite e dia para não sermos pesados." I Ts. 2:9. Mas não sabem ou desprezam outra que disse Jesus: “Trabalhai não pelo pão que perece, mas pelo que permanece, o qual o filho do Homem vos dará.” Jo. 6:27. E era nessa obra que o apóstolo Paulo trabalhava, apesar de ele ter tido necessidade de trabalhar para se manter e manter aqueles que lhe acompanhavam. At. 20:33 e 34.

Assim, o trabalho árduo é para o pecador, “Porque ao homem que agrada a Deus, ele dá sabedoria e alegria. Mas ao pecador Ele dá trabalho, para que se agaste, e amontoe, para deixar ao homem de quem Deus se agrada”. Ec. 2:26.

"Por isso, agrada-te do senhor, e Ele satisfará o desejo do teu coração." Sl. 37:4. "Pois a bênção do senhor é que enriquece e não causa dores." Pv. 10:22.
oliprest
Enviado por oliprest em 05/09/2007
Reeditado em 28/08/2011
Código do texto: T639395
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181645 leituras)
245 áudios (2546 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 20:40)
oliprest

Site do Escritor